Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

quarta-feira, 27 de julho de 2022

Setor de energia discute acesso ao mercado livre



O Gerente de Geração da Kroma Energia, empresa associada ao Sindienergia, que atua na gestão estratégica orientada para o mercado livre de energia, Filipe Souza, foi o responsável pela moderação do debate. Após defender a importância do evento para difundir e divulgar conhecimentos sobre o setor, ele realizou uma apresentação detalhando como funciona o consumo de energia no Brasil, desde a produção até a distribuição.


Também convidado desta edição, o Deputado federal Danilo Forte, por sua vez, defendeu que o debate sobre a importância do Projeto de Lei (PL) 414/2021, que trata da abertura do setor elétrico para o mercado livre, seja tratado como política pública, e não somente uma pauta setorial.

“O Brasil precisa discutir com mais profundidade a sua política energética. E esse PL é necessário e urgente para forçar o mercado a se recompor. Ele traz segurança jurídica, diminui impostos e induz o desenvolvimento econômico. Por isso, esse debate sobre a importância do PL 414 precisa deixar de ser setorial e se tornar uma política pública. Caso contrário, ele dificilmente será aprovado ainda este ano”, defendeu o parlamentar, que preside a Frente Parlamentar de Energias Renováveis.
Na ocasião, o deputado disse ainda que o planejamento e desenvolvimento energético devem ser considerados prioritários, sobretudo porque a geração de energia é, também, uma “política de redução de desigualdades, com a geração de emprego e renda”.

O evento também teve como convidado o assessor da Presidência na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Galdino Lamas de Barros. Ele destacou o pioneirismo do Ceará no avanço da produção de energia renovável, seja solar, fotovoltaica ou eólica, e também nos investimentos em energia verde.

Ainda em fevereiro de 2021, o Governo do Ceará, a FIEC, o Complexo do Pecém e a Universidade Federal do Ceará (UFC) lançaram o HUB de Hidrogênio Verde do Ceará, que visa transformar o território cearense em um grande fornecedor global desse tipo de combustível, gerando emprego e renda. Sobre o PL 414, Barros assegurou que já há estrutura para realizar a transição energética no País. “O que posso garantir a vocês é que a CCEE está preparada para absorver a migração dos consumidores, após eventual aprovação do projeto”, afirmou.
Souza destacou ainda que o projeto de lei representa, na prática, “a liberalização total do setor elétrico”, e que o texto prevê que todos os consumidores poderão migrar para o mercado livre de contratação de energia no prazo de 42 meses (3,5 anos).

Sobre o PL 414
Considerado o “Novo Marco Regulatório do Setor Elétrico”, o PL 414/2021 tem a perspectiva de alavancar novos investimentos, acelerar a transição energética e potencializar a inovação e o desenvolvimento tecnológico do setor, tornando o acesso ao mercado livre de energia mais democrático.
Isso porque, diferentemente do mercado regulado, onde a energia elétrica que é distribuída aos consumidores cativos tem preços regulados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), no mercado livre, a negociação dos valores cobrados pela energia se dá livremente entre comercializadoras e consumidores. O acesso à essa modalidade hoje, no entanto, é limitado aos clientes da alta tensão. Vale lembrar que a energia comercializada no mercado livre é oriunda de fontes limpas – eólica e solar.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Mudas Frutíferas

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site