Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

terça-feira, 19 de julho de 2022

GASTO MÉDIO COM FERTILIZANTES PARA PRODUÇÃO DE GRÃOS DOBRA EM UM ANO

0993653001651860209.png

Mauro Osaki

Pesquisador da área de Custos Agrícolas do Cepea

cepea@usp.br

Data de publicação: 10/05/2022

As altas sucessivas nos preços dos fertilizantes ao longo de 2021 já vinham deixando produtores brasileiros em alerta quanto à temporada 2022/23. No primeiro trimestre de 2022, no entanto, o movimento de avanço nos valores desse insumo foi intensificado, diante do conflito no leste europeu, que resultou em sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos, União Europeia e outros sobre a Rússia. Esse contexto tem dificultado as transações de fertilizantes e também de trigo e de outros produtos do país russo. Embora em março o dólar tenha se desvalorizado frente ao Real, a queda na taxa de câmbio não foi suficiente para impedir novas elevações nos preços dos fertilizantes no Brasil.

 

Levantamento do Cepea mostra que o fertilizante cloreto de potássio foi negociado no Brasil à média de R$ 6.171,50/tonelada em março, forte alta de 24,9% em relação à de fevereiro e 153,6% acima da de março de 2021. A cotação média do MAP (fosfato monoamônico) foi de R$ 7.032,10/t em março, 40,6% superior à do mês anterior e avanço de 63,6% em relação à de março do ano passado. Quanto à ureia, a tonelada foi negociada à média de R$ 5.844,70/t no Brasil em março, valorização mensal de 36,8% e anual de 97,3%.

 

Esses novos reajustes, por sua vez, já são repassados, em partes, aos gastos envolvendo a nova safra 2022/23. Simulação realizada pelo Cepea mostra que o gasto médio orçado com fertilizantes para a produção de soja na safra 2022/23 aumentou 29,6% em março frente ao mês anterior e expressivos 103,4% em relação a março de 2021.Em março, o sojicultor precisou de 13,3 sacas de soja por hectare para custear o gasto com fertilizante, contra 7,9 sacas/ha em março do ano passado.

 

Para o milho da safra verão e de segunda safra de 2022/23, o gasto com fertilizantes orçado em março cresceu 30,6% e 31%, respectivamente, em relação ao mês de fevereiro de 2022. Na comparação anual, os aumentos são de respectivos 91,5% e 119,1%. Em março de 2022, foram necessárias 56,2 sacas e 23,3 sacas de milho para cobrir o gasto orçado com fertilizante por hectare para o milho verão e segunda safra, respectivamente, contra 21,9 sacas e 10,7 sacas do cereal em março de 2021.

 

Nos casos do feijão, do arroz irrigado e do trigo, os aumentos nos gastos com fertilizantes foram, respectivamente, 32,6%, 23,2% e 31,2% em março frente a fevereiro. Entre março/21 e março/22, os aumentos são de 83,2%, 91,1% e 94%, na mesma ordem. Quanto à relação de troca, para cobrir o custo com fertilizante por hectare eram necessárias 5,3 sacas de feijão em março de 2021, contra 8,3 sacas em março de 2022; para o arroz irrigado, foram necessárias 19,1 sacas de arroz (50 kg) em março de 2021, subindo para 41,1 sacas em março deste ano; e para o trigo foram 15,7 e 24,6 sacas do cereal para o mesmo período.

 

O conflito no leste europeu também impulsionou o valor do barril do petróleo WTI (West Texas Intermediate), que passou para média de US$ 108,5 em março, alta de 18,4% sobre a de fevereiro. No Brasil, o preço do diesel subiu 12,1% no mesmo período, segundo levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). O valor médio do litro do diesel passou de R$ 5,68 em fevereiro para R$ 6,37 em março. Com isso, o efeito da alta do diesel sobre o custo da operação mecânica subiu, em média, 6,5% de fevereiro para março para as cinco culturas avaliadas. Em um ano, a elevação foi calculada em 22,8%.

 

Quanto ao custo de produção operacional efetivo médio (COE) estimado em março de 2022 para a soja aumentou, em média, 12,7% frente ao orçado em fevereiro. Para o milho da safra verão, a alta média foi de 16,1%; para o milho segunda safra, de 13,1%; para o feijão, de 7,5%; para o arroz irrigado, de 7,5%; e para o trigo, de 15,9%. De março/21 para março/22, o COE estimado para a soja subiu 51,5%; para o milho verão, 53,9%, para o milho segunda safra, 48,7%; para o feijão, 42,5%; para o arroz irrigado, 28,9%; e para o trigo, 49,7%.

 

Em março de 2022, a produtividade de nivelamento para saldar o COE foi de 33,1 sacas de soja por hectare; de 113,2 sacas de milho para a safra verão; de 55,3 sacas de milho para a segunda safra; de 20,4 sacas de feijão; de 152,1 sacas de arroz; e de 53 sacas de trigo. Em março/21, as quantidades para saldar o COE eram bem menores, de 26,5 sacas no caso da soja; de 86 sacas para o milho verão e de 42,9 sacas para a segunda safra; de 16,5 sacas para o feijão; de 104,5 sacas para o arroz irrigado; e de 53 sacas no caso do trigo.

 

Embora os preços dos produtos agrícolas tenham subido entre março/21 e março/22, o aumento nos itens que estruturam o custo de produção foi maior. Mesmo assim, a produtividade de nivelamento para a oleaginosa ainda apresenta margem para saldar a depreciação e juros sobre capital investido na maior parte das regiões. Em algumas regiões, o restante dessa margem é insuficiente para cobrir o valor do arrendamento.

 

Os casos que chamam mais atenção são para a produção de milho, arroz irrigado, trigo e, sobretudo, o arroz irrigado. Neste último caso, o preço do arroz irrigado caiu 11,4% entre março/21 e março/22, enquanto a estimativa do COE subiu 28,9%, comprometendo a maior quantidade da produção para saldar o COE. A produtividade de nivelamento do arroz irrigado para cobrir o COE está muito próximo da produtividade média de 150 sacas de 50 kg, diminuindo significativamente a rentabilidade do produto.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Mudas Frutíferas

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site