Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Editorial: As questões que permeiam a desmobilização da adutora do Pedras Brancas para o Fogareiro




Na última semana, a adutora desativada que levou água do açude Pedras Brancas até Quixeramobim para abastecimento da sede urbana, entrou no hall de assuntos discutidos na região após o episódio do furto dos canos, que fez a Polícia Civil iniciar uma investigação e prender quatro pessoas. O tema, então, enveredou pela questão de responsabilidade sobre quem cuida do equipamento e a necessidade de mudança de reservatório.

Há semanas foi anunciada a desmobilização da adutora do açude Pedras Brancas para o açude Fogareiro, localizado na zona rural de Quixeramobim. Desde então, o equipamento estava inoperante, já que a tubulação seria reaproveitada. A partir disso, munícipes questionaram sobre a viabilidade da ação, do ponto de vista do volume armazenado, já que a adutora seria retirada de um reservatório de 456 milhões de metros cúbicos para outro com 118 milhões de m³ de capacidade.

A administração municipal de Quixeramobim, através do SAAE, é a responsável pelo gerenciamento do equipamento. Nesse sentido, a responsabilidade pelo desmonte da adutora recai sobre ela, o que levanta o argumento de que o processo de desmobilização deveria ter sido iniciado ainda em 2021, a fim de evitar algum problema como o que ocorreu na semana passada, bem como a deterioração dos tubos, expostos às altas temperaturas da região e às chuvas da pré-estação, gerando processo de dilatação e retração térmica e desgaste do material, que não foi barato.

À luz do abastecimento hídrico, o desmonte da adutora não resolverá o problema de água da cidade, afinal, ela foi montada com esse intuito, ainda na gestão do prefeito Cirilo Pimenta. Para melhor exemplificar o fato, o Pedras Branca conta, hoje, com 13 milhões de m³ disponíveis, enquanto o Fogareiro está 4,26 milhões de m³. Obviamente que a cidade ainda conta com a barragem, mas esta se encontra com menos de 1 milhão de m³ até o momento em que esta opinião é escrita. Assim, considerando que a temperatura na região é alta e não foi registrado aporte significativo em nenhum reservatório citado, espera-se que tenham sido considerado os níveis de evaporação da água e da demanda hídrica da cidade, em uma margem de erro confiável.

Desse modo, recai sobre os ombros do poder público e do SAAE a cobrança de que se faça funcionar o novo equipamento que será montado, também, com os canos reaproveitados. Se não, todo o dinheiro investido em ambas as adutores descerá pelo ralo do desperdício, o que não convém ao momento econômico do Brasil.

Ademais, ter responsabilidade na administração e gerenciamento da adutora deve estar em voga em todos os momentos, sempre observando como se encontra a tubulação e evitando chegar a um desgaste excessivo para que alguma atitude seja tomada para resolver qualquer problema de vazamento no trecho que liga o reservatório até a Estação de Tratamento de Água (ETA) do SAAE.

O cuidado é extremamente necessário em um equipamento tão delicado, do ponto de vista econômico e estrutural. É crucial a atenção com tamanho investimento para que, dentro de meses, ele não vire uma simples sucata no meio do sertão.

Foto: Reprodução/SerTão TV

Editorial do Repórter Ceará


Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Mudas Frutíferas

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site