Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

segunda-feira, 23 de agosto de 2021

Água da transposição do São Francisco volta a ser bombeada para Eixo Norte, mas não virá ao Ceará

Água da transposição do São Francisco volta a ser bombeada para Eixo Norte, mas não virá ao Ceará

O recurso hídrico não será liberado para o trecho emergencial do Cinturão das Águas até fevereiro de 2022

TRECHO DO CAC


O sistema de bombeamento das águas do rio São Francisco para o Eixo Norte foi retomado depois de uma paralisação iniciada em maio passado para serviços de manutenção dos equipamentos. A Estação de Bombeamento 1 voltou a operar em ritmo normal e a transpor o recurso hídrico para a barragem de Jati, no Cariri cearense.

Apesar de todo o sistema de bombeamento voltar a operar, a água não será liberada para o trecho emergencial do Cinturão das Águas do Ceará (CAC), como ocorreu no primeiro semestre deste ano.

O Ceará faz parte do Eixo Norte do Programa de Integração do Rio São Francisco (PISF). Entretanto, até fevereiro de 2022 o Estado não voltará a receber água.

“Nesse período não tem água para o CAC porque a água se perderia por evaporação, infiltração no leito do riacho Seco e do Rio Salgado”, justificou o gestor da Superintendência de Obras Hidráulicas do Ceará (Sohidra), Yuri Castro.

A ideia do governo do Ceará é manter a transferência de água do São Francisco somente no período chuvoso, quando “a calha do rio está úmida, com água da chuva e terá uma condução mais eficiente”, reforçou Castro. A SRH defende o período de fevereiro a junho.  

Após percorrer 53 km de canal no segmento emergencial do CAC, a água oriunda do São Francisco é liberada por meio de uma compota para o riacho Seco em Missão Velha e daí segue em direção ao rio Salgado e até a bacia do açude Castanhão. É preciso percorrer cerca de 300 km de leito natural. Foi o que ocorreu entre 1º de março e 20 de maio passados. Nesse período, o Ceará recebeu 35 milhões de metros cúbicos de água da transposição.

Cinturão das Águas do Ceará

MANUTENÇÃO

De acordo com o MDR, as equipes de manutenção contratadas fizeram a substituição das válvulas das estações 2 e 3 com o objetivo de reforçar a distribuição de água na região do semiárido nordestino.

O secretário nacional de Segurança Hídrica do ministério, Sérgio da Costa, ressaltou a marca pioneira do serviço de manutenção no projeto, concluída nesta semana, “foi a primeira desde a sua implantação”.

Costa disse ainda que o “Eixo Norte vai ter em operação todos os conjuntos, motobombas, instalados e, até o final de agosto, as três estações de bombeamento estarão operando com duas linhas de motobomba, ou seja, a capacidade máxima instalada atualmente".

Segundo Iury Castro, o MDR vai operar neste segundo semestre para recarregar várias barragens que integram o projeto e testar canais e tubulações, em Pernambuco, Ceará e na Paraíba.

O MDR frisou que a expectativa é que “o Eixo Norte garanta segurança hídrica a 6,5 milhões de pessoas em 220 cidades da Paraíba, Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte, após conclusão de todo o projeto”.

CINTURÃO DAS ÁGUAS

Nesta quarta-feira (18), o superintendente da Sohidra visitou obras de construção do CAC nos lotes 3 e 4, no município de Crato. Em toda extensão, o CAC tem 145km.

CAC

Os lotes 3 e 4 totalizam 74 quilômetros de canais, túneis, elevatórias e sifões. “Estão com 98% dos serviços concluídos, faltando apenas acabamentos, retoques”, explicou Yuri Castro. O lote 3 está com 35% das obras realizadas e o lote 4, com apenas 12,5%.

“O CAC deve ser concluído em três anos, mas depende de liberação de recursos, do fluxo financeiro”, pontuou. O projeto tem orçamento global de R$ 2,1 bilhões e ainda faltam aporte de R$ 900 milhões.

O Objetivo do CAC é transferir água do Rio São Francisco para a nascente do rio Cariús, que fica em Nova Olinda e de lá o recurso hídrico vai seguir por leito natural até desembocar no rio Jaguaribe, em Jucás, e depois na bacia do açude Orós.

Por meio da válvula dispersora, o Orós irá liberar água para o Castanhão. “As bacias do Alto e Médio Jaguaribe serão atendidas no futuro”, disse o gestor Executivo da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Aderilo Alcântara.

Questionado sobre a quantidade de água do São Francisco a ser liberada para o Ceará após a conclusão do CAC e a construção do ramal de Lavras da Mangabeira para as a água da transposição, Yuri Castro disse apenas que “tudo isso vai ser estudado e definido”.

 

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Mudas Frutíferas

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site