Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

terça-feira, 29 de junho de 2021

Planta cearense rara volta a ser registrada após mais de 40 anos

Planta cearense rara volta a ser registrada após mais de 40 anos

A cearanthes fuscoviolacea, também conhecida como "cebola-brava" foi encontrada em Viçosa do Ceará e também no Piauí

Cearanthes fuscoviolacea / cebola-brava
Legenda: A espécie, tratada como “esquecida e de identidade duvidosa”, pelos pesquisadores, foi encontrada no Planalto da Ibiapaba
Foto: Antônio Sérgio Farias-Castro/Arquivo pessoal

Sem registros há quatro décadas, pesquisadores redescobriram uma rara planta, encontrada apenas no Planalto da Ibiapaba, no Norte dos estados do Ceará e Piauí. Espécie da família Amaryllidaceae, a mesma das açucenas, da cebola e do alho, a cearanthes fuscoviolacea, também conhecida como cebola-brava, deve ser classificada como Em Perigo (EN) de extinção, de acordo com os critérios da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). 

O estudo foi apresentado no II Encontro Virtual de Sistemática, Biogeografia e Evolução (Encontro SBE 2021), encerrado no último dia 23, pelo professor e pesquisador Antonio Campos-Rocha, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que lidera a pesquisa. 

"FLOR DO CEARÁ"

A espécie, tratada como “esquecida e de identidade duvidosa”, pelos pesquisadores, foi encontrada em agosto de 2015 no Planalto da Ibiapaba, durante a 11ª Expedição do Movimento Pró-Árvore, fundado em 2011. A planta, que leva o seu nome o cearanthes como “flor do Ceará”, foi localizada em um pequeno fragmento de Caatinga, em Viçosa do Ceará e, nos anos seguintes, mais duas pequenas populações foram registradas no Piauí.  

O agrônomo e botânico Antônio Sérgio Farias-Castro, fundador do Movimento Pró-Árvore, que participou da pesquisa, explica que por fazer parte do grupo das Amaryllidaceae, portanto tem um bulbo (cebola), isso garante a sobrevivência da planta, que fica parte do ano sem folhas ou flores. “Diferente de outras espécies que ocorrem no Ceará ela floresce na estação seca. Tem flores delicadas e belas”, descreve.

O achado, segundo o pesquisador, representa um avanço para os estudos em andamento com a família Amaryllidaceae.

A importância se dá pela raridade, dúvidas que havia sobre a própria identidade já que havia pouca informação. Cada espécie tem informações genéticas únicas. E falta ainda mais informações sobre dispersão, por exemplo”
ANTÔNIO SÉRGIO FARIAS-CASTRO
Agrônomo e botânico

O botânico acredita que a espécie “provavelmente ocorria em ambientes semelhantes” do Ceará. “A alteração dos ecossistemas é intensa e histórica. Mais de 80% da Serra da Ibiapaba sofreu algum grau de intervenção”, completa. 

DIFICULDADES

A ocorrência da espécie, hoje, se dá justamente dentro da APA da Serra da Ibiapaba, ou seja, dentro de uma Unidade de Conservação (UC). Como uma das categorias menos restritivas, a área total possui 1,59 milhão de hectares, o que dificulta o trabalho de fiscalização e preservação. “Infelizmente, os órgãos ambientais responsáveis não dispõem em seus quadros de botânicos e ecólogos”, lamenta Farias-Castro.  

Na avaliação dele, a área onde estão inseridas as plantas poderia ser criada uma Reserva Ecológica. “Uma Área de Proteção Ambiental pouco contribui com a preservação já que teoricamente qualquer um pode chegar e retirar as plantas para vender ou o local ser desmatado para roça ou pasto. Não há controle. Se o terreno é particular, o dono se acha no direito de explorar, o que tem lógica”, justifica o botânico 

O chefe da APA Serra da Ibiapaba, Ricardo Madeira Tannús, admite que a espécie não tem um programa específico de preservação dentro da unidade. “As atividades de fiscalização são no espectro mais amplo, na preservação do bioma como um todo”, explica o representante do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Lá, além dos biomas caatinga e cerrado, ainda há resquícios de mata atlântica. “O nosso foco de preservação também são os recursos hídricos”, completa.  

Como, pela categoria de uso sustentável, a APA ainda permite que pessoas morem dentro de sua área e também o funcionamento de empreendimentos. Lá, por exemplo, há atividades de energia, carcinicultura, mineração, pecuária, entre outros, que podem acontecer sem restrição legal. Porém, toda ação deve passar por adequação que respeite a vegetação e os recursos hídricos.  

A APA Serra da Ibiapaba abrange 26 municípios, tendo cerca de 80% do seu território no Piauí e outros 20% no Ceará. Como a área é muito extensa, o ICMBio planeja rediscutir o seu plano de manejo, “que está muito defasado”, observa Ricardo.

O documento criado para direcionar a gestão da UC é de 1998, antes mesmo da lei que regulamenta o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), de 2000.  

“Vamos fazer uma renovada neste documento para garantir a gestão dentro dele e fazer um estudo aprofundado das características, incluindo a questão biológica, as espécies de relevante interesse social, ecológico e científico. Pensando nisso, faremos o planejamento”, projeta Ricardo, que prometeu conversar com os pesquisadores que atuaram no estudo da cearanthes fuscoviolacea e inclui-los na discussão.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Mudas Frutíferas

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site