Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Secretário Bruno e protetoras de animais discutem retirada de gatos do Cocó

 

Na tarde desta quinta-feira (21), o titular da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA), Artur Bruno, recebeu em seu gabinete, com as “protetoras de animais”, a advogada, Gabriela Moreira, presidente da ONG “Deixa Viver”, a consultora em comportamento felino e blogueira, Renata Costa, e a veterinária Adriana Pessoa. Na pauta do encontro, o relatório de visita técnica que o grupo realizou em setembro último, ao Parque Estadual do Cocó e os avanços e demandas referentes à proteção animal, no âmbito do Estado.

Ao abrir a reunião presencial que respeitou todas as medidas preventivas de distanciamento e uso de máscaras, Bruno anunciou que a Política Estadual de Proteção e Defesa Animal do Ceará está quase pronta. “Nossa prioridade é ter uma lei de proteção animal”, disse. “Isso é apenas o começo, nós estamos terminando minuta para logo em seguida enviar para a Assembleia Legislativa”, completou. Também participaram da reunião a da coordenadora de Proteção Animal, da SEMA, Thais Câmara, o gestor do Cocó, Paulo Lira, e o técnico, Ênio Santos, da Ouvidoria/SEMA. Um dos assuntos mais demandados pelo público externo da Secretaria é a proteção de animais.

A veterinária Adriana Pessoa fez questão de destacar a satisfação de participar do encontro, logo no início do ano, para tratar de uma questão tão presente na sociedade e sobre a qual ainda não se conhece a raiz do problema. “Essa reunião nos reenergiza”, declarou. “O nosso objetivo é trabalhar de forma mais concreta, para viabilizar estratégias e resultados”, explicou. Ela ressaltou que entende que este não é um problema só da SEMA, mas da Prefeitura, também. “A questão é que os animais domésticos sofrem”, frisou.

Para a consultora de felinos, Renata Costa, é fundamental planejar a retirada de gatos da Unidade de Conservação (UC) de Proteção Integral Parque Estadual do Cocó. “Como protocolar todo o manejo desses animais abandonados?”, perguntou. “Fazendo o traslado de uma parte, pois se tirarmos todos os gatos, outros virão e ocuparão o território”, respondeu. “Os gatos são territorialistas e por esse motivo o traslado deve ser gradual”, explicou. Os que ficam, deverão ter assegurado a ração, a água e o local de descanso. “Junto a isso, castração permanente, vacinação e educação”, destacou.

Mas por que educação? Segundo Gabriela Moreira, “é preciso observar quem abandona os gatos e reforçar com a população sobre como ser educada quanto aos cuidados com os gatos”. Vale lembrar que abandonar ou maltratar animais é crime previsto pela Lei Federal e que uma nova legislação, sancionada em setembro de 2020, aumentou a pena de detenção, que era de até um ano, para até cinco anos para quem cometer este tipo de crime.

De acordo com o Secretário Bruno, a implantação do videomonitoramento no Parque Estadual do Cocó está evoluindo bem mais rápido do que se esperava. “Acreditamos que vamos concluir esse processo até o meio do ano”, afirmou. A instalação das câmeras vai contribuir para a observação e o controle do abandono de animais domésticos na área do Parque.

Para Adriana Pessoa, todas esses pontos são importantes, “mas a castração é primordial e resolve a situação”. Segundo a veterinária, “a Prefeitura não avançou muito com o VET Móvel” e precisa disponibilizar outras unidades, assim como identificar e fazer convênios com clínicas que possam se adequar a esse tipo de atendimento. “A UECE tem a obrigação social de fazer a castração gratuita”, disse. O hospital veterinário da Universidade Estadual do Ceará cobra R$ 130,00 para fazer o procedimento. “A população não pode pagar”, encerrou.

Encaminhamentos

Ao final da reunião, como encaminhamento, ficou decidido que a SEMA vai tratar da parceria com a Prefeitura e o o Hospital Veterinário da UECE; que até meados de março enviará para a PGE o projeto de lei; o videomonitoramento será concluído até o meio deste ano; resgatar a Rede de Proteção Animal (criação da Rede foi debatida em audiência promovida pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Semiárido da AL em abril de 2019); fazer a inserção de estagiários na área de proteção e defesa animal; criar uma política de educação para as UCs e entorno; aperfeiçoamento e ampliação da sinalização de proteção animal das UCs; criação de um plano de comunicação específico sobre o assunto.

Saiba mais

– De acordo com o relatório das “Protetoras”, na trilha principal do Cocó existem cinco colônias de gatos e, cada uma com três a cinco integrantes, em média. Com a publicação do Plano de Manejo, fica oficializada, a partir de primeiro de fevereiro, a proibição de animais domésticos nas áreas internas da Unidade de Proteção Integral Parque Estadual do Cocó, em Fortaleza. decreto federal Nº 6.514,/2008, define as penalidades em UCs do país. Leia o Plano de Manejo do Parque Estadual do Cocó em: https://www.sema.ce.gov.br/planos-de-manejos-das-unidades-de-conservacao/ .

– Em 2019, foi criada no âmbito da SEMA, a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa dos Animais (Coani), com o objetivo de articular e propor políticas públicas para a proteção animal no estado do Ceará.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Mudas Frutíferas

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site