Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Comunidade em Água Branca (AL) ganha primeiro viveiro de aclimatação de mudas de palma forrageira



A comunidade de Alto dos Coelhos, no município de Água Branca (AL), conta agora com o primeiro viveiro polo de aclimatação de mudas de palma forrageira, resultado da parceria entre o Projeto Dom Helder Câmara (PDHC) e a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). A ação vai atender 660 agricultores de forma direta e, indiretamente, 6.600 agricultores no semiárido.

O PDHC, desenvolvido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo, e cofinanciado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), busca reduzir os níveis de pobreza e de desigualdades no semiárido, qualificando os produtores para desenvolver uma produção sustentável, estimulando a replicação de boas práticas, e tem como eixo central a assistência técnica e extensão rural (Ater). A inauguração do viveiro ocorreu na última quarta-feira (16).

A iniciativa prevê ações como a multiplicação, em laboratório, de mudas de palmas forrageiras resistentes à Cochonilha do Carmim, uma praga que causa sérios danos à cultura. 

A expectativa é que sejam produzidas 5 milhões de mudas de palma forrageira em laboratório, com ênfase em variedades tolerantes à praga. No total, 205 municípios da região semiárida – área de abrangência do Projeto Dom Helder Câmara – deverão receber mudas provenientes dos viveiros de aclimatação. As atividades de pesquisa e produção de mudas estão sendo desenvolvidas por meio de uma colaboração com a Universidade Federal de Viçosa (UFV).

Manutenção dos rebanhos

A palma forrageira é utilizada pelos agricultores do semiárido para alimentar seus rebanhos, principalmente em períodos de estiagem. É amplamente cultivada na região devido às suas características de adaptação a solos rasos, deficientes em água e matéria orgânica. Apesar de robusta, a espécie está sujeita ao ataque de pragas e doenças.

“Com esta iniciativa, o projeto poderá contribuir para a manutenção dos rebanhos e a permanência dessas famílias em suas terras, contribuindo para a redução da pobreza rural, de modo a fortalecer produtores rurais através da ampliação de inovações tecnológicas”, explicou o diretor do Departamento de Estruturação Produtiva da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Mapa, José Paulo de Almeida.

Com esta ação, o Mapa espera contribuir na promoção, divulgação e ampliação de novas metodologias de produção. “Além de implementar novos procedimentos de trabalho de apoio às comunidades rurais, buscando alternativas de produção e tecnologias adequadas às condições do semiárido, contribuindo na geração e o aumento da renda familiar e permitindo uma melhor convivência com o semiárido de forma sustentável”, destacou.

Ainda dentro das atividades previstas nesta iniciativa estão: a distribuição de mudas em municípios do semiárido e a capacitação de pequenos produtores dessa região, sobretudo de caprinos, ovinos e bovinos, para aproveitamento eficiente da reserva de água existente, bem como a instalação de sistemas de irrigação por gotejamento, necessários ao cultivo da espécie.

Colaboraram com o projeto, por meio da cessão de materiais para micropropagação e montagem de um banco de diversidade de espécies e cultivares de palma forrageira, a Embrapa Semiárido, a Universidade Federal do Ceará (UFC), a Universidade Federal da Paraíba (Campus de Areia) e o Instituto Nacional do Semiárido (Campina Grande – PB).

Informações à imprensa
imprensa@agricultura.gov.br

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Mudas Frutíferas

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site