Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Mudas clonadas são aposta para volta do plantio de laranja em Jaguaribe

 



Com o objetivo de resgatar a citricultura na região, que já foi uma das mais importantes do CE, a Embrapa tem prestado orientação aos produtores e, em paralelo a isso, desenvolvido sementes geneticamente melhores.


Até a década de 1990, a laranja ‘de Russas’ era uma das mais apreciadas pelos consumidores cearenses. No entanto, com a popularização do tipo ‘Pera’, o fruto nativo foi perdendo espaço. Em 2016, das 66.101 toneladas de laranja comercializadas na Ceasa de Fortaleza, apenas 1.181 toneladas foram produzidas no Ceará. Ou seja, aproximadamente 98,2% vêm de fora, principalmente de Sergipe, Bahia, mas também do Pará, Minas Gerais, São Paulo e Goiás. 

Com objetivo de reverter esse contexto, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) começou a trabalhar, há 13 anos, a revitalização da citricultura no Vale do Jaguaribe. A princípio, analisou as sementes para desenvolver clones das melhores plantas. Há cinco anos, teve início a introdução de uma nova forma de cultivo e, neste ano, o trabalho mostrou resultado. O segredo foi evitar o uso de pés francos e apostar no emprego de mudas enxertadas com sementes selecionadas. 

O agrônomo da Embrapa, Orlando Passos, explica que, ao longo dos últimos anos, o cultivo na região era “inadequado”. Ao cultivar em pé franco ou sementes, as plantas apresentavam pouca durabilidade, de cerca de seis anos. “A partir daí, começavam a morrer”, conta. Então, foram coletados materiais para oito clones dos municípios de Russas e Jaguaruana. 

“Isso nos deixou empolgados para reincorporar a citricultura e o Ceará voltar a ser um grande produtor”, explica. Hoje, o Estado ocupa a 4ª posição no cultivo da laranja no Nordeste, com 9.480 toneladas, segundo o IBGE. 

Ampliação 

A retomada da citricultura, entretanto, é gradual. Orlando explica que a proposta é trabalhar com pequenos agricultores e depois expandir. Atualmente, são 20 produtores que mantêm áreas produtivas em terras que vão até 1,5 hectare. Apesar de o experimento da Embrapa ter se mostrado positivo, o agrônomo Kassio Sombra, que acompanha o projeto de retomada da citricultura, avalia que “ainda está muito aquém” do potencial que possui a região. 

“A gente pensa em trabalhar para ser um polo de citrus. Hoje em dia, percebe-se que tem que pensar numa agricultura também diversificada. O produtor que já está no terceiro ano trabalhando a laranja, gastando, esperando, já consegue pagar o pomar produzindo outras culturas. A laranja é como uma poupança e isso os animam”, acredita. 

O produtor Carlos Cesar Guimarães, de Russas, é um dos beneficiados com o projeto. Após três anos plantando com sementes selecionadas e doadas pela Embrapa, diz ter colhido 10 mil unidades. “Nesta pandemia faltou foi laranja. Uma venda medonha. Graças a Deus, foi bem rentável”, comemora César. 

“A gente enxerga que tem que expandir. Hoje, não consegue abastecer o mercado local. Com intuito de ampliar estas áreas, o gargalo tem sido as mudas”, completa Kassio. As mudas ainda são produzidas na Bahia e a Embrapa as envia ao Ceará. O sucesso das matrizes levadas do nosso Estado, inclusive, fez a produção da laranja ‘de Russas’ ser iniciada em solo baiano. 


Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site