Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Inmet alerta para baixa umidade em 85,86% das cidades do Ceará

 Inmet alerta para baixa umidade em 85,86% das cidades do Ceará

Ao todo, 158 dos 184 municípios cearenses devem apresentar umidade abaixo de 30%.

Legenda: O Inmet orienta que seja consumido bastante líquido, evite atividades físicas e exposição ao sol nas horas mais quentes do dia
Foto: Natinho Rodrigues

Um novo alerta do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), emitido nesta quinta-feira (1º), aponta para umidade relativa do ar abaixo de 30% em 158 municípios cearenses, ou seja, 85,86% do território do Estado. Com o tempo mais seco, especialistas apontam para um maior risco de incêndios florais e danos à saúde humana. O aviso é válido até hoje, às 18h. 

situação mais preocupante acontece em 53 municípios classificados com “perigo”, quando a umidade relativa do ar varia entre 12% a 20%. Neste caso, as regiões atingidas são: Sertão cearense, Jaguaribe, Cariri e Centro-Sul. Já em “potencial perigo”, quando a umidade gira em torno de 20% a 30%, são 105 municípios atingidos, localizados no Sertão cearense, nas regiões Jaguaribana, Norte e Noroeste do Estado.  

A gerente de meteorologia da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Meiry Sakamoto, aponta que o interior do Estado, especialmente na região Centro-Sul, é a área onde a umidade relativa do ar costuma apresentar índices mais baixos nessa época do ano, pois, após o encerramento da estação chuvosa, se tornam comuns os dias com céu claro e poucas nuvens.

“Nesses períodos de alta temperatura, a umidade relativa do ar, ao contrário, pode cair a níveis preocupantes do ponto de vista de saúde”, observa Sakamoto.   
  

Outros fatores que contribuem para a taxa de umidade relativa do ar ser mais preocupante no interior é a continentalidade, ou seja, a distância do oceano.

Além disso, os ventos mais fortes ajudam a aumentar a evapotranspiração da vegetação, já castigada pelo solo seco e a falta de chuvas, explica a meteorologista. Já no litoral, a umidade proveniente da evaporação da água do mar, que é transportada ao continente pelos ventos, torna este fenômeno menos agravante.   

Riscos    

O Corpo de Bombeiros alerta para o perigo, neste segundo semestre, das queimadas, sobretudo a prática ilegal de “brocar” um terreno antes de plantar, como preparação do solo. “Isso ainda é muito comum no interior do Estado”, aponta o tenente-coronel Nijair Araújo.

“A maioria (dos incêndios) são de focos clandestinos e criminosos, pela ação do homem, destruindo a natureza, flora e fauna. O calor e os ventos tornam ainda fáceis de se alastrarem. A gente tem que trabalhar, além da questão educativa, a questão punitiva”, acredita o militar.     

O alergologista e imunologista Cícero Inácio, aponta que a baixa umidade do ar também pode causar problemas de saúde, como ressecamento da pele, desconforto nos olhos, boca e nariz.

“É comum a secura das mucosas nasais, exacerbação de conjuntivites alérgicas, dermatite atópica, asma e rinite alérgica”, cita. 

O próprio Inmet orienta que seja consumido bastante líquido, evite atividades físicas e exposição ao sol nas horas mais quentes do dia. Além disso, recomenda o uso de hidratante para pele e umidificadores de ambiente.  

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site