Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Chuvas dos últimos dias contribuem para redução dos índices de queimadas

 Chuvas dos últimos dias contribuem para redução dos índices de queimadas 

Nos últimos quatro dias, a Funceme registra precipitações em vários municípios com maior incidência na região Cariri cearense

vegetação
Legenda: Quando chove, a terra e o mato ficam úmidos e não impedem, mas reduzem os riscos de queimadas
Foto: Honório Barbosa

A ocorrência de chuva, mesmo localizada, em vários municípios cearenses desde a última quinta-feira (22) contribui para a redução de focos de calor e de incêndio em vegetação no semiárido cearense, avalia o Corpo de Bombeiros. A terra e o mato ficam úmidos e reduzem as queimadas.

O capitão do Corpo de Bombeiros, comandante adjunto da 2ª Companhia de Bombeiros Militares, em Crateús, José Artêmio Aragão Prado Júnior, observou que “as chuvas contribuem sim para a redução das queimadas” e explicou que “solo e a vegetação ficam mais úmidos, e não impedem, mas dificultam a ocorrência de fogo”.

Nas cidades de Ipu e Ipueiras, houve registro de chuvas na sexta-feira e no sábado passados. “Se as chuvas mesmo pontuais continuassem seriam um alívio para esse quadro crescente de tantas queimadas”, acrescebtou o capitão.

As últimas precipitações, de acordo com o meteorologista da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Raul Fritz, decorrem de “áreas de instabilidade que se formaram sobre o oceano Atlântico Tropical e avançam sobre o continente, e colaboraram para registros de chuva no Ceará nos últimos dias”.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) também previa ocorrência de chuva para o sertão cearense para o período de 22 a 26 de outubro.

Desde a última quinta-feira, houve registro de chuva em municípios da Região do Cariri (Altaneira, Missão Velha, Juazeiro do Norte, Assaré, Crato e Lavras da Mangabeira) com precipitações que variaram entre 5mm a 34mm.

Na madrugada deste sábado, a Funceme registrou chuva em Cariús (42mm), Lavras da Mangabeira (23.5mm), Crato (10mm), Juazeiro do Norte (12mm), Viçosa do Ceará (8mm), Russas (5.6mm) e Jardim (5mm). 

Queimadas 

O professor de geografia do Instituto Federal do Ceará (IFCE), campus de Iguatu, Carlos Lima da Silva, pontuou que “as queimadas ocorrem com maior incidência no período em que o solo e a mata estão mais secos, favorecendo a expansão do fogo, entre setembro e novembro”.

Em dezembro, quando as chuvas já chegam no período de pré-estação chuvosa, há uma redução nos índices de queimadas na região Cariri cearense. “Há uma relação direta entre o tempo seco e quente. No período de preparo de solo para o plantio, em que o agricultor usa uma prática cultural antiga, o fogo nos restos de plantio e da mata nativa rebrota com as queimadas”, observa o diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Iguatu, Sebastião Alves. “Quando as chuvas chegam mais cedo, o tempo esfria e as queimadas diminuem”, pontua.

Carlos Lima frisa que as queimadas, a cada ano, contribuem para o avanço do processo de desertificação, a partir da degradação do solo que fica exposto, e da perda da vegetação. “Temos consequências econômicas, ambientais e de saúde para a população exposta à fumaça”, pontuou. O docente defende a “adoção de políticas públicas de prevenção às queimadas”.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site