Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

terça-feira, 20 de outubro de 2020

'Chuvas do caju' são registradas no Ceará


'Chuvas do caju são registradas no Ceará' 

Elas têm relação com brisa e umidade do mar Segundo Funceme, choveu em Fortaleza, Redenção e Pacatuba

Iguatu. O Ceará vivencia o período de pós-estação chuvosa e entre os meses de agosto e outubro é comum ocorrer precipitações que popularmente são denominadas de 'chuva do caju'. Na manhã de ontem, a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) registrou chuva em Fortaleza (4.0mm), Redenção (3.6mm) e Pacatuba (1,5mm).

Desde o início desse mês até ontem não havia registro de precipitações na faixa litorânea e nem no sertão cearense. De acordo com o meteorologista da Funceme, Raul Fritz, a chuva ocorrida ontem em Fortaleza foi decorrente de uma instabilidade local associada à umidade do Oceano Atlântico e formação de nuvens não muito desenvolvidas, as denominadas 'tipo quente' que provocam apenas chuviscos.

Estação

Segundo ele, as precipitações ocorridas nos meses de agosto, setembro e outubro não têm relação direta com as chuvas da estação chuvosa (fevereiro a maio). "São decorrentes de outros sistemas e processo meteorológicos. É uma chuva que mal aparece nas imagens do satélite. São de difícil previsão, porque não estão associadas a um fenômeno expressivo, apenas à brisa e à umidade que vem do mar e convergem na formação de nuvens de pouco crescimento", frisa.

O meteorologista adianta que não há previsão para as chuvas desse período, pois são decorrentes de fenômenos isolados e de reduzida escala. "Os modelos de previsão meteorológica não trabalham com esse tipo de chuvas tropicais, que ocorrem próximo à linha do Equador", explicou.

No Ceará, o ar está mais seco com baixa umidade relativa. Apesar de não haver uma relação direta entre os sistemas meteorológicos verificados entre a estação chuvosa e a pós-estação, quando há um bom inverno, o solo permanece mais úmido e pode facilitar a formação de nuvens, por meio da evaporação, que associada à brisa litorânea contribui para ocorrência de precipitações.

Desde 2012 que o Ceará registra chuvas abaixo da média. A estiagem permanente vem provocando no período perda das reservas hídricas nos reservatórios localizados no Interior. Segundo dados da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), a média acumulada nos 153 açudes monitorados é de apenas 11,2%.

Há 125 açudes com volume inferior a 30%. A redução desse volume, indica, deve ser intensificada a partir deste mês por meio da evaporação e maior consumo de água.

A situação mais crítica ocorre no Baixo Jaguaribe que acumula apenas 0,25% das reservas de água, seguida da Bacia do Curu com 2,49%, do Banabuiú com 2,68% e do Sertões de Crateús com 3,15%.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site