Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Alerta: 60 cidades cearenses apresentam 'perigo' por baixa umidade, aponta Inmet

 

Alerta: 60 cidades cearenses apresentam 'perigo' por baixa umidade, aponta Inmet

Escrito por , 

Outros 78 municípios também apresentam "potencial perigo". Fenômeno pode causar problemas de saúde e aumentar os riscos de incêndios florestais

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu, nesta terça-feira (13), um novo alerta de “perigo” por baixa umidade em 60 municípios cearenses, nas regiões Sul, Centro-Sul e Sertão dos Inhamuns. Isso acontece quando a umidade relativa do ar varia entre 12% a 20%, ocasionando um risco maior de incêndios florestais e danos para a saúde humana. O boletim é válido até às 20h de hoje.  

Além destas 60 cidades, outros 78 municípios estão classificados com “potencial perigo”, quando a umidade relativa do ar varia entre 20% a 30%, trazendo danos menores, mas ainda perigosos à saúde humana. Neste caso, as regiões afetadas são o Sertão Central e Inhamuns, o Vale do Jaguaribe, Norte e Noroeste cearense. 

Monitoramento

Nesta segunda-feira, a partir das oito estações meteorológicas do Instituto instaladas no Ceará, Iguatu apresentou a situação mais preocupante, com umidade relativa do ar chegando a 13%. Também abaixo de 30% estão: Morada Nova (19%), Crateús (25%), Barbalha (26%), Sobral (26%) e Jaguaruana (27%). A situação é mais confortável em Tianguá (38%) e Fortaleza (46%).  

A gerente de meteorologia da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Meiry Sakamoto, aponta que o interior do Estado, especialmente na região Centro-Sul, onde está Iguatu, é a área onde a umidade relativa do ar costuma apresentar índices mais baixos nessa época do ano.  

“Encerrada a estação chuvosa, se tornam comuns os dias com céu claro, com poucas nuvens, assim, a temperatura máxima, que é aquela registrada por volta das 14 horas, tende a ser ligeiramente mais alta e, nesses períodos de alta temperatura, a umidade relativa do ar, ao contrário, pode cair a níveis preocupantes do ponto de vista de saúde”, observa Sakamoto.   

Outros fatores que contribuem para a taxa de umidade relativa do ar ser mais preocupante no interior é a continentalidade, ou seja, a distância do oceano. Além disso, os ventos mais fortes ajudam a aumentar a evapotranspiração da vegetação, já castigada pelo solo seco e a falta de chuvas, explica a meteorologista.    

Já no litoral cearense, a umidade proveniente da evaporação da água do mar, que é transportada ao continente pelos ventos, torna este fenômeno menos agravante. “A princípio, as pessoas não precisam se preocupar tanto com esses índices nessa região”, completa a meteorologista.  

Cuidados

A Organização Mundial de Saúde (OMS) classifica como alerta, já que, entre os possíveis impactos, estão o ressecamento da pele, desconforto nos olhos, boca e nariz. Segundo a OMS, quando o índice de umidade relativa do ar ficar abaixo dos 30%, o quadro já é considerado preocupante, pois o nível ideal vai de 60 a 80%. 

Num cenário como este, o alergologista e imunologista de Juazeiro do Norte, Cícero Inácio, recomenda o consumo de líquidos “principalmente água”, enfatiza, e evitar exposição em horários mais quentes, das 10h às 16h, usar hidrante para a pele e, se possível, de algum tipo de umidificador de ambiente. 

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site