Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Aglofloresta é alternativa para reduzir número de queimadas no CE

 Aglofloresta é alternativa para reduzir número de queimadas no CE

O alto índice de incêndios são sintomas de práticas agrícolas nocivas ao meio ambiente, como os "aceiros" ou "brocadas". Os sistemas agroflorestais, porém, apostam no equilíbrio ambiental, com produção sustentável e sem uso do fogo

Legenda: O Cariri reúne agricultores que desenvolvem o Sistema Agroflorestal
Foto: Antonio Rodrigues

A prática de queimar a vegetação para preparação ao plantio da roça, ainda muito presente no interior do Estado, é um dos principais fatores que contribuem para o alto número de incêndios no Ceará. Uma alternativa à redução deste índice é a disseminação das agroflorestas, também conhecidas como agricultura sintrópica.

O sistema trabalha com a recuperação pelo uso, isto é, o estabelecimento de áreas altamente produtivas e independentes de insumos externos, como agrotóxicos e pesticidas. A ideia é trabalhar a favor da natureza, associando os cultivos agrícolas com os florestais, recuperando os recursos em vez de explorá-los e incorporar conceitos ecológicos ao manejo. Deste modo, o agricultor elimina a necessidade do uso do fogo e, por sua vez, contribui para redução das queimadas, beneficiando fauna e flora.

Quebra cultural

O engenheiro agrônomo Francier Simião da Silva explica que a prática da queima para preparar área ainda é comum porque, em um primeiro momento, facilita o plantio. Porém, adverte que a produção só será significativa no primeiro ano. "As cinzas têm vários minerais que sustentam a planta nesta primeira etapa, mas para o ano seguinte, como a broca e a queima acontecem numa vegetação mais rasteira, de um solo mais fraco pela perda de nutrientes, vai cair 50% ou mais. A tendência é que em três anos não se produza e procure um novo solo para fazer a prática", enfatiza.

Deste modo, outras áreas são queimadas na busca por resultados e o número entra em uma espiral de crescimento. Para Francier, um dos problemas que mantém esta prática, hoje criminosa no Ceará, é a falta de acesso à terra. "São os 'posseiros', pessoas que pegam emprestado a terra de outro só para o plantio", acredita. O agrônomo aponta que o problema reside neste cenário. "Não tem como fazer trabalho ambiental quando não se é o dono", detalha.

Disseminar a cultura, portanto, ainda é um gargalo. O diretor técnico da Ematerce, Itamar Lemos, admite que o órgão estadual não tem nenhum programa específico relacionado a implantação de sistemas agroflorestais, mas diz que há oferta de assistência técnica gratuita para os agricultores interessados neste tipo de manejo.

"Nosso princípio de trabalho é em cima do sistema agroecológico. O produtor pode entrar em contato conosco, que ofereceremos este apoio para começar". O interessado pode ligar para um dos escritórios regionais.

Ação antrópica

O tenente-coronel Nijair Araújo, comandante do 4º Batalhão de Bombeiros Militar de Iguatu e 4º Grupamento de Combate a Incêndios, avalia que mais 90% dos incêndios acontecem pela ação humana. "Raramente a natureza provoca a autocombustão".

Quanto à queimada feita pelos agricultores, Nijair diz que "tecnicamente não resolve nada".

Para agravar, o militar ressalta que "tem visto aceiros desordenados, em horários diferentes do que é comum, que foge à normalidade".

Para ele, a educação e a prevenção são importantes, mas, só através da denúncia, o Estado pode agir numa tentativa de identificar e, assim, punir os autores.

Benefícios

Diferente das áreas queimadas, que só produzem no primeiro ano, o sistema agroflorestal permite plantar todos os anos no mesmo espaço e ainda é possível recuperar uma área degradada ao longo do tempo, manejando a introdução de plantas arbóreas, frutíferas e até pequenos animais neste contexto.

O agricultor José Raimundo de Matos, 77, morador do Sítio Taboleiro, em Nova Olinda, deixou a queimada de lado e migrou, há mais de 20 anos, para o sistema agroflorestal.

Em sua propriedade, Zé Artur consegue reunir uma grande variedade de frutas e legumes. "Eu não tinha nenhuma fruta. Hoje, quando chega no tempo, a gente tem".

A mais de 70 quilômetros dali, no Sítio Jurema, em Juazeiro do Norte, Ednaldo Ferreira Gonçalves também mantém um sistema agroflorestal, desde 2017.

A mudança ambiental foi fundamental para a família transformar a propriedade, antes castigada pela agricultura convencional por causa da queima, mas que agora dispõe de bom solo. "Aqui dá quase tudo", vibra Ednaldo

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site