Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

sábado, 19 de setembro de 2020

Projeto experimental de plantio de trigo no Ceará supera expectativa

Projeto experimental de plantio de trigo no Ceará supera expectativa

Escrito por , 

O cultivo foi feito na fazenda Agrícola Famosa, no distrito de Tomé, no Perímetro Irrigado Jaguaribe-Apodi e alcançou produtividade de 4,5t/ha.

A inédita e exitosa produção de trigo pela primeira vez no Ceará animou os envolvidos
Legenda: A inédita e exitosa produção de trigo pela primeira vez no Ceará animou os envolvidos
Foto: Honório Barbosa

primeiro plantio experimental de trigo em solo cearense superou a expectativa inicial dos produtores em uma área de 5,0 hectare, na fazenda Agrícola Famosa, no Perímetro Irrigado Jaguaribe-Apodi. A produtividade média esperada, inicialmente, era de 4,5 toneladas por hectare, mas a safra colhida revelou melhores números: 5,3t/ha.

A produtividade alcançada superou média da Região Sul, principal polo produtor de trigo do País, mas a cultura no Ceará foi cultivada na modalidade irrigada, enquanto que no Rio Grande do Sul segue a tradição do plantio de sequeiro.

Para os dois produtores envolvidos no projeto, a colheita representa um marco histórico para a economia cearense e possibilita a abertura de um novo ramo do negócio de trigo e derivados, isto é, a produção local. O projeto nasceu da união da Santa Lúcia Alimentos e da Agrícola Famosa, que é a maior produtora de melão no distrito de Tomé, em Quixeré, no Perímetro Irrigado Jaguaribe-Apodi.

“Para alguns era uma loucura, mas para nós foi uma aposta exitosa e que serve de modelo para outros produtores”, frisou o produtor Alexandre Salles. “O ciclo produtivo foi de apenas 75 dias”. O empresário fez comparação com o Sul do Brasil, onde a produtividade média é de 2,4 toneladas por hectare, e no Cerrado, cerca de 5,5t/ha, mas com ciclo produtivo mais longo, entre 140 a 180 dias.

Otimista, Salles reafirmou que para 2021 vai expandir a área de plantio para 50ha e em 2022, quer ampliar para 500ha. “A nossa ideia é manter um projeto crescente”, salientou. “Pensamos em fazer dois cultivos alternados entre melão e trigo, por ano, já que o ciclo é curto”.  

Embora esteja muito animado com os resultados colhidos, Salles acredita que ainda há muito o que melhorar a partir de maior acompanhamento e ajustes na cultura. “Não há dúvida que foi um sucesso, não só pela produtividade, mas também pelo prazo de duração da planta até a colheita”, pontuou. “Agora é partir para grandes volumes e maior produtividade”.

Para a titular do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, a produção local, embora em caráter experimental, revelou ser viável e pode ser considerada um marco histórico para a atividade agropecuária regional. “Isso mostra que precisamos estar cada vez mais antenados com a modernidade das novas tecnologias para vários produtos que podemos usar internamente e, ao mesmo tempo, gerar superávit para nossas exportações”, afirmou a ministra, que vê possibilidade de expandir a cultura para outros estados nordestinos – Piauí e Alagoas.

Os estudos para o cultivo do grão no Ceará começaram a partir de uma parceria entre a Embrapa Trigo, Embrapa Agroindústria Tropical e o Instituto Federal do Ceará, que realizaram os primeiros experimentos de cultivo, em 2019. “O objetivo foi analisar a viabilidade de produção do cereal no Estado, considerando as condições de solo e clima”, explicou o técnico da Embrapa, Afrânio Montenegro. 

A pesquisa realizou experimentos com quatro variedades de cultivares, em regiões de baixa e de alta altitude, análise de época mais adequado ao plantio, ciclo de incidências de doenças e desenvolvimento das plantas com plantios.

“O primeiro resultado foi excelente, o ciclo se fechou em 75 dias e as cultivares que tiveram melhor performance foi a BRS264 e BRS404, mostrando que o trigo tinha ampla adaptação para ser cultivado no Ceará”, destacou Osvaldo Vasconcellos, chefe-geral da Embrapa Trigo. 

“O resultado foi muito promissor, o que deu um grande ânimo à Embrapa porque vemos que os estados do Nordeste, que têm altitude acima de 600 metros como o Piauí, Ceará, Alagoas e outras partes dessa região, apresentam boa aptidão e têm condições de luminosidade e de temperatura que atendem à demanda da produção de trigo”, comentou Vasconcellos. 

De acordo com o Mapa, a região Nordeste importa quase 100% do trigo que consome, proveniente da Argentina, Uruguai, Estados Unidos, Canadá e Rússia, além de importar de outras regiões do Brasil. Com os resultados positivos obtidos no Ceará, no futuro, a partir da expansão da cultura, o Brasil poderá equilibrar a balança comercial em trigo, observa Vasconcelos.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site