Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

Operação Carro-Pipa no Ceará tem atendimento reduzido em 50%

 Operação Carro-Pipa no Ceará tem atendimento reduzido em 50%

Com nova metodologia de pagamento adotado pelo MDR, pipeiros revelam desinteresse em aderir ao programa federal que fornece água a localidades do sertão cearense. Com isso, cerca de 75 mil pessoas deixaram de ser atendidas

Legenda: O programa atende, por meio da distribuição de água potável, localidades castigadas por períodos de seca.
Foto: Honório Barbosa

Cerca de 75 mil moradores das regiões do Sertão Central, Sertões de Canindé e dos Inhamuns, no interior cearense, estão desassistidos pela Operação Carro-Pipa, do Governo Federal. Esse número representa quase de 50% da demanda atual, que é de a 152.861 habitantes, distribuídos em 55 municípios do Estado. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

Para atender à demanda atual - e crescente a partir deste mês de setembro, uma vez que as cisternas, poços e pequenos reservatórios estão secando com o distanciamento da quadra chuvosa no Ceará -, há necessidade de contratação de 780 carros-pipa. No entanto, segundo o MDR, em agosto foram contratados apenas 392.

A defasagem no número de pipeiros contratados decorre, segundo o Sindicato dos Pipeiros do Ceará (Sinpece) e as Coordenadorias Municipais de Defesa Civil (Comdec), da mudança de modelo aplicado para calcular os valores de pagamento pelos serviços de acordo com o volume de água transportado. Em setembro, o MDR começa a aplicar o reajuste do índice multiplicador.

"Deixou de ser interessante porque a determinação agora é captar água de reservatórios mais próximos das localidades de cada rota e desse jeito o ganho não cobre as despesas. Ninguém quer trabalhar para ganhar quase nada", explica o diretor do Sinpece, Eduardo Aragão.

Ainda conforme Aragão, a Operação-Pipa paga pelo quilômetro rodado o valor de R$ 3,50, mas apenas para a ida, com a chamada 'carrada cheia'. "O retorno não é incluído", ressaltou. "Só compensa se houver rota acima de 70km". Desta forma, menos pipeiros têm se interessado pelo chamamento do Exército.

O reflexo deste cenário é o atraso na retomada da distribuição de água para as famílias que vivem em comunidades do Sertão. Em setembro de 2019, por exemplo, o Sinpece informou que o Ceará contava com 600 caminhões-pipa distribuindo água em 70 municípios. Números bem menores do que os atuais.

Demanda

Em Tauá, por falta de pipeiros, a Operação-Pipa ainda não começou. De acordo com a Comdec, 25 mil pessoas de 560 localidades rurais aguardam o início da distribuição de água por caminhões. "A carência é grande, não choveu bem em todas as regiões e a maioria das cisternas secou, explica Leandro Setúbal, gerente da Comdec de Tauá.

No Município de Canindé, só três caminhões-pipa fazem a distribuição a partir da coleta de água na Estação de Tratamento da Cagece, em Maracanaú, distante 109km. "Só temos três caminhões para atender a todo o Município, mas precisamos de pelo menos 13", diz a gerente da Comdec, Francilene Belém.

Já em Quixadá, segundo a gerente da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, Jardene Girão, "são necessários cerca de 70 caminhões-pipa, mas só existem dois contratados para atender 13 distritos".

Nas comunidades do distrito Várzea da Onça, na zona rural do Município, 25 famílias só estão recebendo água uma vez a cada dez dias. O volume tem sido insuficiente. "A carência é muito grande", pontua Jardene.

No município de Aiuaba, na região dos Inhamuns, o quadro é semelhante às demais cidades. "A distribuição de água com os caminhões-pipa ainda não começou e estamos esperando porque há cerca de duas mil pessoas precisando de água", observa o gerente da Comdec de Aiuaba, Gabriel Silva. "Precisamos de 30 pipas, embora 15 caminhões já dariam um alívio", pondera.

Readequação

De acordo com o MDR, o novo modelo otimiza os custos do programa que agora passa a "calcular os valores de pagamento pelos serviços de acordo com o volume de água transportado, a distância do manancial até o ponto de abastecimento e a quantidade de viagens realizadas".

Questionada se o valor por km sofreria algum reajuste, a Pasta não respondeu.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site