Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Novas formas de vender a produção levam agricultores familiares a movimentar R$ 300 mil no Ceará

Novas formas de vender a produção levam agricultores familiares a movimentar R$ 300 mil no Ceará

Iniciativas de vendas por plataformas e redes sociais surgem para garantir a renda de produtores locais e amenizar os impactos gerados pelo novo coronavírus

Fotografia de família de agricultores cearenses
Legenda: Cesar e Fernanda largaram o emprego formal para investir na produção que têm em casa, e já ensinam o filho Bruno sobre o trabalho na agricultura
Foto: Divulgação

Sem as tradicionais feiras livres e com a logística de distribuição dos produtos sendo uma das principais dificuldades do trabalho, os agricultores familiares cearenses só puderam contar com a expertise do trabalho em equipe para enfrentar os efeitos da crise que a pandemia trouxe para eles desde abril deste ano. Orientados por iniciativas diversas, famílias de produtores rurais conseguiram reaver a confiança e movimentaram mais de R$ 300 mil.

"No começo da pandemia foi muito difícil, eu olhava de um lado e para o outro em busca de uma solução, pois a gente tinha dívidas para pagar, pão na mesa para colocar, mas não tinha dinheiro", relembra a agricultora Joana Peixoto, de 31 anos.

Ela e o marido, Gabriel Capistrano, conduzem a produção familiar na Serra de Baturité, onde o trabalho proveu a vida delas de duas formas: trazendo o sustento da casa e também resguardando a saúde mental dela em meio à pandemia. "Nesse momento, foi uma das melhores terapias, porque eu já tive problema de depressão e a plantação me ajudou a superar a doença. Plantar me ajudou a superar tudo, inclusive o medo nessa pandemia", revela sobre o trabalho que desempenha desde o 13 anos, quando ajudava os pais, e que agora conta com o apoio da Muda Meu Mundo.

A startup cearense criou uma plataforma para conectar pequenos produtores ao varejo e tomou força ao longo da pandemia.

De acordo com a CEO da empresa, Priscila Veras, a ferramenta permite que os pequenos produtores forneçam produtos diretamente aos supermercados. A iniciativa contou com a participação de mais de 200 agricultores de todo o Estado, dos quais 50 são produtores fixos para o varejo.

Recursos

A CEO da startup contabiliza que, entre janeiro e agosto deste ano, a renda dos agricultores cresceu e o projeto movimentou mais de R$ 300 mil com a agricultura familiar. A renda média mensal de cada agricultor gira em torno de R$ 3 mil, sendo um lucro variável a cada mês.

"Nesse período de pandemia, a renda deles só fez aumentar. A gente está gerando renda recorrente pro agricultor, então, todo mês, ele sabe o quanto vai ganhar. Eles recebem o justo pelo produto que vendem", destaca, adiantando que já há planos de levar a iniciativa que reúne cerca de 200 agricultores no raio de 200 km de Fortaleza para outros estados.

"O projeto foi a nossa salvação, significou muito, porque graças a ele, a gente não ficou sem renda. Continuamos a vender os produtos e ainda mais conseguimos ter pedidos ainda maiores", comenta a agricultora. 

Fernanda e o marido, César Farias, largaram o trabalho de carteira assinada há oito anos para viver dos "frutos de seu terreno". Ela trabalhava em uma escola pública e o esposa, em uma granja. Com a pandemia, eles tiveram uma certeza ainda maior de que estavam no caminho certo.

"Com o projeto, a gente teve uma expectativa maior de que fez o certo, de trabalhar com o nosso terreno, nos deu uma reanimada. Durante a pandemia, a gente estava sempre bem, não tivemos a preocupação de ficar sem renda, pois  o trabalho não parava, sempre chegava pedidos maiores", pontua.

A agricultora conta que na pandemia a demanda pelos produtos apresentou um crescimento de 80% em relação ao período anterior, em que só vendiam em feiras livres. Ela relembra que muitas vezes, ia para as feiras e voltava com 50% da mercadoria, porque não se tinha uma "saída boa" dos produtos.

Feira virtual

No Centro de Estudos do Trabalho e Assessoria ao Trabalhador (Cetra), pelo qual mais de 8 mil famílias de agricultores, quilombolas e indígenas têm orientação, a pandemia também forçou a criação de novas maneiras para auxiliar os produtores locais que comercializavam seus produtos na feira agroecológica de Itapipoca, que já acontece há mais de 15 anos.  A estratégia adotada consistiu na criação de uma feira virtual.

Para Gleyciane Teles, coordenadora territorial do Cetra de Itapipoca, apesar de ainda não alcançar o volume de vendas da feira presencial, o resultado foi satisfatório. "Nesse período de pandemia, a feira virtual foi uma estratégia muito boa, porque eles puderam comercializar uma parte da produção", avalia.

Até o momento, a iniciativa conta com a adesão de 15 agricultores. Além disso, com a divulgação dos produtos nas redes sociais, a feira conseguiu atrair a atenção de mais consumidores que não tinham o hábito de adquirir produtos na feira presencial.

Aumento da produção

Com o aumento da procura devido à feira virtual, a agricultora Rojany Santos, que faz parte do grupo óleo de coco do Assentamento Maceió, viu os lucros e a produção  crescerem no período da pandemia.

Ela conta que antes do período, o grupo lucrava cerca de R$ 300 por mês com a venda de produtos. No mês de julho, os lucros foram acima do dobro, indo a R$ 800.

"No começo da pandemia foi bem tenso. A gente não sabia como ia vender o produto, pois a feira era o local onde mais vendia. Então, a gente começou a divulgar os produtos no WhatsApp, Instagram e aí o Cetra também fez a feira online e a gente começou a vender mais, bem mais", conta a agricultora. Rojany relembra ainda que antes da pandemia, o grupo se reunia a cada 15 dias para a fabricação dos produtos. Hoje, o encontro é semanal para conseguir suprir a maior demanda.

Perdas

Apesar de a feira online ter auxiliado alguns agricultores, outros não conseguiram inserir seus produtos no modelo. A agricultora Graça Patrício foi uma das que perdeu a plantação de jerimum e feijão verde.

Graça revela que, sem as feiras, ela chegou a obter perda de R$300 a R$400 por semana. "A gente perdeu muita fruta e muitos legumes com a suspensão das feiras. Eu tinha, em média, um apurado de R$ 300 a  R$ 400 por semana, desde o começo da pandemia estou sem esse apurado. O único produto que tenho entregado é o ovo e, estou apurando em torno de R$ 80 a R$90 por semana apenas", diz Graça.

Do Chão Maciço

Produtores locais de Baturité em parceira com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), lançaram uma plataforma de WhatsApp Business, em que 120 agricultores da região são beneficiados com a venda direta para os consumidores.

O projeto iniciou em maio, como forma de atenuar os impactos devido a pandemia. A  articuladora do Sebrae em Baturité, Fabiana Gizele, pontua que até agora, aos produtores tiveram uma lucratividade em cerca de 30% em relação ao período pré-pandemia.

Marli Oliveira, agricultora e participante da Cooperativa da Agricultura Familiar de Ocara (COOAF), avalia que o projeto tem contribuído muito na renda e no incremento de novos consumidores. "Antes a gente só atendia escolas. Com o delivery, tivemos o prazer de atender uma nova clientela que aprecia os produtos da terra, livres de agrotóxicos produzido por agricultores".

O projeto atende a população de Baturité e a cada 15 dias realiza entregas em Fortaleza também.

Informações: Diário do Nordeste 

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site