Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Com boa quadra chuvosa e fora do lockdown, agro cresce 16,9% no CE

 Com boa quadra chuvosa e fora do lockdown, agro cresce 16,9% no CE

Resultado do 2º trimestre do PIB cearense demonstrou a força da pandemia sobre a economia local, que despencou 13,2% em comparação ao trimestre anterior. Perspectivas para o desempenho em 2020 ainda são positivas

Legenda: Na agricultura, destaques ficam por conta da produção de milho, arroz e feijão. Com benefícios sociais na pandemia, cresceu a demanda e a produção de aves
Foto: Honório Barbosa

Na contramão do que vivenciaram os serviços e a indústria, a agropecuária no Ceará atravessou incólume a pandemia do novo coronavírus, conforme revelam os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre de 2020, divulgados ontem (22) pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece).

Enquanto o PIB cearense caiu 13,2% no segundo trimestre frente ao primeiro e 14,5% em comparação a igual período de 2019, a agropecuária cresceu 16,9% e 18,8%, respectivamente, sob influência das chuvas e da manutenção das atividades durante os meses de isolamento social.

A assessora técnica do Ipece, Cristina Lima, pontua que o resultado foi impulsionado por algumas culturas específicas e bons resultados na pecuária, com destaque para a produção de aves.

"A gente associa ao crescimento da demanda por essa carne. Com o pagamento do auxílio emergencial, algumas famílias passaram a ter condições de demandar o produto. Por outro lado, com o preço da carne bovina subindo e a perda de renda em decorrência da pandemia para algumas famílias, o frango se tornou uma opção mais acessível", detalha.

Na agricultura, os destaques ficam por conta da produção de milho, arroz e feijão. Em relação às frutas, Cristina frisou a produção de maracujá, destacando a boa distribuição de chuvas no Estado.

"A gente já teve um ano de 2020 com chuvas muito favoráveis, tanto no volume de água como na distribuição e isso favoreceu bastante o nosso desempenho nesse período", detalha.

O presidente da Câmara Setorial de Agronegócio da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Amílcar Silveira, corrobora a avaliação sobre a relevância das chuvas para os bons resultados do setor no período e acrescenta que a agropecuária não parou durante a pandemia.

"Este ano será muito bom. Não tínhamos água, a gente vinha em uma sequência de secas", detalha.

"Acreditamos que nos próximos dois anos nós teremos resultados muito positivos no setor agropecuário", projeta, pontuando que o crescimento das exportações alavancaram a demanda e também os preços.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (Faec), Flávio Saboya, também atribui os bons resultados ao fato de o setor não ter parado durante a pandemia.

"Isso decorre da luta que nós tivemos para sensibilizar o Governo do Estado no sentido de mostrar que o setor agro era o que menos apresentava casos da doença", explica.

Ele também lembra que, quando a pandemia chegou ao Ceará, a safra já estava plantada.

O auxílio emergencial que ajudou a impulsionar a demanda por frango e os bons resultados da pecuária também são apontados pelos analistas do Ipece como elementos-chave nos resultados da economia cearense em 2020. O PIB deste ano foi revisado de -4,92% (projeção de junho) para queda de 4,35%.

O consumo de alimentos terá forte influência na melhora da economia local no próximo semestre, segundo o Ipece.

"O que observamos em junho já aponta para a direção de redução da queda da atividade em 2020", detalha Nicolino Trompieri, coordenador de Contas Regionais do Ipece.

Resultados

Impactados mais fortemente pela pandemia, a indústria despencou 33% no segundo trimestre ante igual período do ano anterior e de 28,7% ante o primeiro trimestre. O setor de serviços retraiu 13,6% e 12,6%, respectivamente.

"O dados de março já indicavam que ocorreria essa queda na produção industrial. Houve melhoria da atividade em junho, mas não foi suficiente para reverter a queda de abril e maio", explica Wítalo Paiva, analista do Ipece. A indústria extrativa mineral teve a queda mais intensa.

Alexsandre Lira, também analista do Ipece, lembra que o processo de pandemia e isolamento afetou fortemente o emprego e a massa salarial, impactando negativamente as vendas do comércio e dos serviços, influenciando também a indústria.

"Nós percebemos um efeito muito forte na venda de combustíveis. O setor de alojamento e alimentação também sofreu bastante e o turismo quase parou".

O resultado também já era esperado pelo setor, aponta André Montenegro, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).

"A pandemia paralisou praticamente toda a indústria, principalmente as de maior peso do Ceará como a construção civil. Quando ela para, fica estagnada uma cadeia enorme atrás dela, como cimento, cerâmica, areia, brita. Outro setor que também impulsionou muito a queda foi a indústria de confecção, que é fortíssima no Estado. Embora algumas outras, como de alimentos, não tenham parado, a representatividade não dá para compensar as perdas".

Montenegro aponta estar confiante nos resultados da indústria do terceiro trimestre e também na retomada das atividades do setor.

"Os juros baixos estão fazendo com que seja viável a volta das atividades. Outro fator muito positivo neste processo foi o auxílio emergencial, fazendo com que as pessoas pudessem consumir".

Serviços

Intensamente impactado, o setor de serviços também não se surpreendeu com o resultado para o segmento, segundo aponta o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), Maurício Filizola.

"Foi justamente o período de maior impacto no comércio e serviços dentro deste contexto de pandemia. Em junho, último mês do trimestre, foi quando começamos a voltar, mas ainda muito pouco, sem uma plenitude", explica.

Ele ainda pondera que, embora o turismo tenha demorado a voltar a atuar devido às dificuldades sanitárias, a expectativa é de um resultado mais positivo no terceiro trimestre.

"Nós já vamos ver números melhores. Ainda vamos sentir o impacto, principalmente no setor hoteleiro e de turismo, mas já foi muito importante perceber a movimentação dentro do Estado nos últimos feriados", prevê.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site