Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

Projeto São José IV mira combate às desigualdades e grupos vulneráveis

Projeto São José IV mira combate às desigualdades e grupos vulneráveis

André Gurjão - Texto e Fotos
Mais conhecido pela entrega de sistemas de abastecimento d´água, o Projeto São José agora quer também ser lembrado pela inclusão produtiva e pelo combate às desigualdades de gênero, raça e etnia. Enquanto ainda não há uma previsão para o início da quarta etapa da iniciativa da Secretaria do Desenvolvimento Agrário, as equipes do projeto, das coordenadorias da SDA e de instituições parceiras seguem em home office se preparam para oferecer o melhor para população cearense.
“O Projeto São José IV trará em seu escopo o trabalho com grupos vulneráveis, públicos que não tiveram historicamente a oportunidade de sua inclusão social, econômica e produtiva. São indígenas, quilombolas, pescadores artesanais, mulheres e juventudes que compõem o universo rural do Estado”, revela o Lafaete Almeida. Segundo o coordenador do PSJ, o objetivo é garantir conhecimento e sensibilidade na formulação e execução de “políticas públicas eficazes e efetivas para esses grupos sociais”.
O trabalho com as minorias sociais não começa do zero, embora a tendência seja se aprofundar. Prova disso é que, somente se tratando do público feminino, em 140 das 267 associações comunitárias atendidas com projetos produtivos pelo São José III as mulheres ocupam cargos de diretoria (presidência, vice-presidência, secretaria e tesouraria). São 62 mulheres ocupando o cargo máximo de comando associações comunitárias e cooperativas num universo que tende a privilegiar os homens.
O mesmo serve para indígenas, quilombolas, pescadores artesanais e juventudes. Um balanço realizado pela Unidade de Gerenciamento do Projeto informa ainda que 11 projetos produtivos do PSJ III foram implantados em comunidades quilombolas, quatro para pescadores artesanais e três em comunidades indígenas. A definição das comunidades ocorreu a partir de uma ampla discussão com 21 grupos quilombolas e seis indígenas. Os pescadores artesanais receberam visitas de integrantes do projeto.

Combate à violência contra a mulher

Em julho, a equipe técnica do Projeto São José e da SDA, juntamente às instituições parceiras, participaram de um ciclo de capacitações voltada ao alinhamento conceitual relacionado às questões de gênero. As contribuições envolveram as participações da Profa. Dra. Zelma Madeira, abordando a temática “Desigualdades de Gênero e Étnico Raciais em Contextos Rurais”; e a assistente social e Mestra Francisca Sena, trazendo o debate “Violências contra a Mulher e Redes de Proteção”.
A valorização do trabalho doméstico e produtivo e o protagonismo feminino no campo também entraram no centro do debate. Como forma de fortalecimento deste viés, a formação e a qualificação das mulheres para as atividades de gestão, como forma de ampliar a participação delas nos espaços de decisão, e a sensibilização dos beneficiários para identificar as diferentes formas de violência contra a mulher foram outros temas abordados, tendo em vista o início do Projeto São José IV.
“Para além disso, não se pode discutir a dinâmica social do campo sem atrelar à sua condição de classe, sexo e questões étnico-raciais”, observa Jana Alencar Euletério. Violência contra a mulher é crime e não se restringe apenas às agressões físicas. O ciclo se inicia com tensões por discussões irrelevantes (fase 1), passa pela violência verbal, física, psicológica, moral ou patrimonial (fase 2) e se reinicia após uma fase de arrependimento do agressor (fase 3). É possível acabar com esse ciclo, denuncie!
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site