Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Embrapa e instituições norte-americanas assinam parceria em pesquisas contra patógenos, como o novo coronavírus




Acaba de ser assinada a parceria entre três instituições consideradas referências mundiais na pesquisa genômica. A partir de agora, Embrapa e as norte-americanas Universidade de Minnesota (UMN) e o J. Craig Venter Center (JCVI) vão investir no intercâmbio de conhecimento com o objetivo de estabelecer uma plataforma para a identificação e o desenvolvimento de novas moléculas terapêuticas contra patógenos de interesse agrícola e industrial.

A pesquisa será submetida a agências americanas de fomento e terá como base moléculas da biodiversidade brasileira, cujo potencial pode contribuir até mesmo com estudos relacionados ao novo Coronavírus, responsável pela mobilização mundial da ciência na atualidade. A cooperação, liderada pelos pesquisadores da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília, DF) Elíbio Rech e Daniela Bittencourt, foi articulada pelo coordenador do Labex Estados Unidos, Alexandre Varella, da Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas (Sire).  Atualmente, a Embrapa Recursos Genéticos é a sede do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Biologia Sintética (INCT-BioSyn).

O projeto inicial da parceria será focado no desenvolvimento de plataforma tecnológica para prospecção, avaliação e produção de biomoléculas com atividade antiviral nos diferentes biomas brasileiros. “A plataforma gerada será capaz de responder, de forma mais rápida, as possíveis futuras ameaças de pandemias virais, podendo ser utilizada como modelo nos setores do agronegócio”, explica Rech.  “Há quase 30 anos, após a produção da primeira geração de plantas geneticamente modificadas, desenvolvemos agora novas ferramentas tecnológicas in silico e in vivo, que possibilitam a entrada em uma nova era da tecnologia do DNA recombinante”, explica.

Sobre a pesquisa, Rech diz que, através da aplicação da biologia sintética, será possível projetar novas e complexas características para manipulação genética e exploração sustentável da biodiversidade. “O uso de tecnologias de biologia sintética representará mais do que adições incrementais de transgenes”, comenta, ressaltando que expandem as possibilidades para o desenho computacional de vias metabólicas completamente novas, características fisiológicas e estratégias de controle do desenvolvimento e a aplicação in vivo na engenharia genética.

Reconhecida como uma significativa promessa para o futuro, a biologia sintética, associada a outras áreas da pesquisa, possui amplas possibilidades de aplicação nos setores produtivos, incluindo medicina, agricultura e agroenergia, além da capacidade de fornecer soluções para os principais desafios que envolvem a bioeconomia. Especialista na área, a pesquisadora Daniela Bittencourt atua como cientista visitante, desenvolvimento estudos nas instalaçaões do JCVI, cujo objetivo é entender e controlar melhor a regulação genética da primeira célula com o mínimo genoma desenvolvido, o JCVI_Syn3A, bem como o desenvolvimento de mecanismos para a construção de uma célula totalmente sintética.

Articulação estratégica

Para o coordenador do Labex EUA, Alexandre Varella, a cooperação entre as instituições faz parte da estratégia de articulação da área internacional da Embrapa, que tem o papel de facilitar o intercâmbio e conectar os interesses da pesquisa brasileira com o que está sendo desenvolvido fora do País. “Nesse caso, o acordo formal entre as instituições envolvia pesquisa com financiamento, por isso houve necessidade de intensificar os contatos com a JCVI e estabelecer um Memorando de Entendimento entre as partes, além da realizacao do cadastro no sistema americano denominado SAM (System for Award Management), explicou.

“Trata-se de uma cooperação de extrema relevância, que envolve, além do suporte financeiro, a colocação da Embrapa no desenvolvimento de pesquisas de ponta, fruto do pioneirismo das instituições na aplicação de abordagens na fronteira do conhecimento”, concluiu. A parceria prevê pesquisas por um prazo de cinco anos.

Reconhecimento mundial

A Universidade de Minnesota tambem participa desta cooperacao e esta assinando um Memorando de Entendimento com a Embrapa. A UMN é membro da Association of American Universities, uma organização que reúne 62 universidades de pesquisa nos Estados Unidos e no Canadá. No ranking acadêmico das Universidades Mundiais, a instituição foi classificada no campo acadêmico de Ciências da Vida e Agrícolas no 11º lugar entre as universidades públicas americanas.

Na parceria com a Embrapa, outras áreas de interesse envolvem: recursos naturais, mudanças climáticas, biotecnologia, pesquisa em ótica, biologia sintética, edição de genes, big data, agricultura digital e de precisão, conectividade e bioenergia e áreas relacionadas.

Referência mundial, o J. Craig Venter Institute (JCVI) desenvolve pesquisas científicas nas áreas de genômica e biologia sintética, com o objetivo de promover avanços nas áreas ambiental e de saúde.

Kátia Marsicano (MTb DF 3645)
Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas

Contatos para a imprensa

Telefone: (61) 3448 1861

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site