Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

sábado, 1 de agosto de 2020

Às vésperas da safra, publicação da Embrapa traz recomendações sobre prevenção à mosca-branca-do-cajueiro


O segundo semestre é conhecido por ser o período do ano em que ocorre a safra do cajueiro. É momento ainda de redobrar o cuidado com os pomares. Para tanto, a Embrapa Agroindústria Tropical lançou o folder ilustrado “Mosca-branca-do-cajueiro: bioecologia e manejo” sobre os cuidados a serem tomados em relação à mosca-branca-do-cajueiro. Para acessar a publicação de forma gratuita, basta acessar o link.

Conforme os pesquisadores da área de entomologia, a cultura do cajueiro é atacada por quatro espécies de moscas-brancas, cujos comportamento e hábito são semelhantes. A mais importante delas é a Aleurodicus cocois, em função de sua presença em um território geográfico bastante extenso, bem como por causar elevadas perdas quantitativas e qualitativas. No Brasil, essa praga é conhecida popularmente como mosca-branca-do-cajueiro ou mosca-branca-gigante, por apresentar maior tamanho em relação às outras espécies.

Com a expansão da área cultivada do cajueiro-anão e o maior emprego de mudas clonadas, a mosca-branca, que antes ocorria em pequenos focos em plantas isoladas, passou a se manifestar por meio de populações bastante elevadas em todo o Nordeste brasileiro, deixando de ser uma praga secundária para se tornar uma das principais pragas limitantes à cultura do cajueiro.

Ao longo do seu desenvolvimento, a mosca-branca-do-cajueiro excreta uma secreção açucarada conhecida como “mela” que se deposita nas folhas. Colônias de fungos irão se desenvolver nessas secreções recobrindo toda a face inferior da folha. Como resultado, a fotossíntese da planta fica bastante prejudicada, ocasionando o seu esgotamento e uma baixa produção de castanha. Em alguns casos, os fungos podem causar até mesmo a morte da planta.

O folder traz estratégias de combate e prevenção ao inseto, com sugestão de defensivos e dosagens. De acordo com a equipe técnica, a decisão de adotar qualquer medida de controle, no entanto, deve levar em conta o nível de infestação da praga e a presença de inimigos naturais das moscas nas plantas atacadas, como pequenas joaninhas, vespas, ácaros predadores e bichos-lixeiros. É preciso ainda monitorar o cultivo e realizar o controle da praga quando aparecerem os primeiros indícios de dano econômico. Para tanto, deve-se pulverizar as plantas atacadas.
Embrapa Agroindústria Tropical
Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Encontre mais notícias sobre:

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site