Clique aqui na imagem e ouça a Web Rádio ao vivo

Pages

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Criadores com pendências no Cadastro Agropecuário da Adagri podem se regularizar até segunda-feira (17)

Criadores com pendências no Cadastro Agropecuário da Adagri podem se regularizar até segunda-feira (17)

11 DE MAIO DE 2021 - 14:25 # #

O prazo para os criadores com alguma irregularidade em seu cadastro junto a Agência de Defesa Agropecuária do Ceará (Adagri), vinculada à Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), termina na próxima segunda-feira (17). Até esta data as pendências podem ser sanadas sem que sejam aplicadas nenhuma penalidade ao criador, conforme a Lei n.º: 17.355, de 16 de dezembro de 2020. A Lei atende a antiga demanda do órgão quanto a necessidade de “enxugamento” do Cadastro Agropecuário da Adagri.

O diretor de Inspeção e Fiscalização da Adagri, Amorim Sobreira, lembra que o intuito do benefício previsto na Lei é de aumentar a fidedignidade do cadastro, o que beneficia não só a Adagri mas o próprio produtor. Após o dia 17 de maio de 2021, fim da vigência da Lei, as infrações às normas de defesa agropecuárias constatadas pela Agência serão combatidas com a devida lavratura do auto de infração e aplicação de penalidade aos infratores. “O produtor também não pode se eximir das suas obrigações zoossanitárias determinadas pela fiscalização no ato da regularização cadastral, como a vacinação do rebanho”, exemplifica o diretor.

Conforme a Lei n.º: 17.355, de 16 de dezembro de 2020, estão isentos da lavratura de auto de infração todos os criadores/produtores que estejam em situação de irregularidade cadastral motivada por descumprimento de obrigação zoosanitária, falta de declaração de rebanho e atualização cadastral. “O produtor deve se dirigir até um dos escritórios da Agência ou órgãos parceiros como Ematerce, Secretarias municipais de agricultura e Sindicatos conveniados, a fim de atualizar sua situação”, explica Amorim Sobreira.

Segundo a presidente da Adagri, Vilma Freire, “o cadastro continha discrepâncias decorrentes dos mais variados motivos. Isso estava influenciando negativamente no alcance de nossas metas de vacinação puxando para baixo nossos índices. Além de dar uma visão distorcida do quantitativo real do nosso rebanho. O que vinha impossibilitando a elaboração de políticas públicas e estratégias de abordagem de Defesa Animal, necessárias ao bom desempenho de nosso trabalho”, finaliza.

Clique aqui e confira os endereços dos Núcleos Locais da Adagri.

Share:

Cultivo de peixe-panga passa a ser permitido no Ceará

Cultivo de peixe-panga passa a ser permitido no Ceará

Piscicultores interessados em cultivar o peixe-panga (Pangasianodom hypophthalmus), originario da Ásia, estão formalmente autorizados a exercerem a atividade com vista à produção e comercialização, conforme determina a lei 17.453 sancionada pelo governador Camilo Santana.

O peixe é um tipo de bagre e o indicado é que ele seja comercializado com 1,5 quilo. Segundo técnicos da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet) o panga apresenta bom rendimento de filé – até 40% em relação ao peso , enquanto a tilápia alcança cerca de 33%.

“Mas que fique claro que o panga não veio concorrer com a tilápia. Trata-se de mais uma opção econômica, principalmente para pequenos produtores, na linha da agricultura familiar”, pondera Antônio Albuquerque, gerente de inspeção e fiscalização da pesca e aquicultura da Adagri, entidade vinculada à Sedet.

O gerente da Adagri aponta que uma das vantagens do panga é poder ser cultivado em viveiros escavados, além da resistência e capacidade de adaptação. Admite, contudo, que o fato de o cearense não ter tradição de comer bagre pode ser um desafio inicial para o mercado e vai precisar de atenção dos produtores.

“Mas isso é superável. O abadejo, por exemplo, é um tipo de bagre e tem boa aceitação; bem como peixe-filhote, um dos mais apreciados no Pará”, observa Albuquerque. “Com a divulgação correta isso não será problema”, acrescenta. Alguns estados no Brasil já estão cultivando o peixe-panga, a exemplo de São Paulo, Rio Grande do Norte e Paraíba.

A mesma lei sancionada pelo governador em abril estabelece que “poderão ser celebrados convênios, firmadas parcerias ou termo de cooperação” para fomentar a atividade no Ceará, que tem tradição na piscicultura – chegou a ser o maior produtor de tilápia no país e sempre figurou entre os principais no cultivo de camarão.

Clique aqui para visualizar a Lei 17.453, publicada no Diário Oficial do Estado.

Share:

terça-feira, 11 de maio de 2021

Previsão indica chuvas mais abrangentes entre terça (11) e quarta-feira (12)

Previsão indica chuvas mais abrangentes entre terça (11) e quarta-feira (12)


Cariri é a única região onde as condições deverão permanecer mais instáveis (FOTO: Marciel Bezerra)

 
Cariri é a única região onde as condições deverão permanecer mais instáveis (FOTO: Marciel Bezerra)
 

Ceará deve seguir com condições favoráveis à chuva em todas as macrorregiões neste início de semana, porém, com registros mais abrangentes a partir desta terça-feira (11).

Conforme análise do cenário meteorológico pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), o Estado deverá registrar poucas precipitações ao longo desta segunda-feira (10). A expectativa é de precipitações pontuais em todo o território.

Já para terça, há tendência de atuação de áreas de instabilidade oriundas do leste do Nordeste, proporcionando condições para precipitações mais abrangentes em todas as regiões, exceto no Cariri, onde ainda ficará sob previsão de possibilidade de chuva (registros entre 5 e 20% do território).

Tanto amanhã como na próxima quarta-feira (12), a tendência é que os maiores acumulados ocorram na porção centro-norte, principalmente entre madrugada e manhã.

Ainda conforme a Funceme, a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) encontra-se localizada em torno 1°N, não interferindo de forma direta nas condições de tempo do Ceará.

Balanço

No intervalo entre as 7h de domingo (09) e as 7h desta segunda, a Funceme registrou precipitações em, pelo menos, 52 municípios. Os maiores acumulados foram em:

-Cruz (Posto: SEDE) : 47.0 mm

-Bela Cruz (Posto: SEDE) : 36.0 mm

-Granja (Posto: SEDE) : 33.8 mm

-Ocara (Posto: Serragem) : 30.0 mm

-Acaraú (Posto: Lagoa do Carneiro) : 28.1 mm

As chuvas mais reduzidas aparecem em acordo com a previsão do tempo apontada para o fim de semana. A Funceme reforça que os dados são parciais e, para acompanhar a atualização, basta acessar funceme.br/calendario.

Share:

Chove em 51 municípios e Ceará continua com previsão favorável para os próximos três dias

Chove em 51 municípios e Ceará continua com previsão favorável para os próximos três dias

A Funceme aponta como fatores para a chuva a formação de áreas de instabilidade no leste do Nordeste brasileiro, calor e umidade na atmosfera

chuvas em maio
Legenda: Tempo de chuva no sertão de Iguatu
Foto: Foto: Honório Barbosa

Para os próximos três dias, o Ceará segue com quadro favorável a ocorrência de chuvas em todas as regiões. A previsão é da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), que registrou entre as 7 horas deste domingo (9) e 7 horas desta segunda-feira (10), chuva em 51 municípios.

As dez maiores chuvas das últimas 24 horas foram observadas em Cruz (47mm), Bela Cruz (36mm), Granja (33.8mm), Ocara (30mm), Acaraú (28.1mm), Moraújo (28mm), Iracema (27mm), Senador Sá (23mm), Morada Nova (20mm) e Horizonte (17mm).  

A gerente de meteorologia da Funceme, Meiry Sakamoto, observou que o “Ceará segue com condições favoráveis à ocorrência de chuva nos próximos dias, principalmente no Centro-Norte do Estado e isso ocorre por causa de áreas de instabilidade oriundas do Leste do Nordeste brasileiro, associada à disponibilidade de calor e umidade na atmosfera e feitos locais como relevo que contribuem para a formação de nuvens de chuva”.

Para os próximos três dias, a Funceme prevê tempo com nebulosidade variável em todas as macrorregiões e maior chance de chuva isolada no Vale do Jaguaribe. Já na faixa litorânea, Ibiapaba e no Maciço de Baturité, há também possibilidade de chuva.

O mês de maio começou com o Ceará registrando boas chuvas, que favorecem o desenvolvimento das culturas agrícolas de grãos – arroz, milho e feijão.

A primeira semana de maio registrou volume médio acumulado de chuva de 44,1 milímetros, conforme balanço parcial da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). O índice representa quase 50% da normal climatológica para o mês, que é de 90,6 mm. Os dados podem sofrer atualização. 

Maio é o último mês da quadra chuvosa no Ceará, período iniciado em fevereiro. Neste ano, o trimestre fevereiro-abril fechou com pluviometria abaixo da média. O acumulo médio no referido trimestre foi de 433 milímetros, o que representa 13,2% abaixo da normal climatológica (510,1 mm). 

Para o diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Iguatu, Evanilson Saraiva, neste ano, “o plantio de arroz na bacia do açude Orós chega a ser três vezes mais do que nos anos anteriores”. Ele justificou a decisão dos produtores rurais de ampliar a área de cultivo, afirmando que “a maioria confiou que teríamos boas chuvas e até agora está dando certo, pois temos um inverno favorável para o arroz e o feijão, mas já o milho sentiu um pouco o veranico ocorrido em abril último”.

Na região Centro-Sul o Açude Ubaldinho, em Cedro, está transbordando desde a semana passada e o reservatório Trussu – responsável pelo abastecimento das cidades de Iguatu e Acopiara chegou ao volume de 30%, ou seja, 11,5% a mais do que em 1º de janeiro deste ano

Share:

segunda-feira, 10 de maio de 2021

Primeira semana de maio registra quase a metade de todo volume médio de chuva para o mês, no Ceará

 Primeira semana de maio registra quase a metade de todo volume médio de chuva para o mês, no Ceará

Litoral de Fortaleza foi a única região do Estado onde o acumulado de chuva já ultrapassou a normal climatológica do mês

Legenda: Amanhã e terça-feira (11), há possibilidade de chuva na Ibiapaba, na faixa litorânea, no Maciço de Baturité e na região Jaguaribana.
Foto: Antonio Rodrigues

A primeira semana de maio registrou volume médio acumulado de chuva de 44,1 milímetros, conforme balanço parcial da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). O índice representa quase 50% da normal climatológica para o mês, que é de 90,6 mm. Os dados podem sofrer atualização. 

Maio é o último mês da quadra chuvosa no Ceará, período iniciado em fevereiro. Neste ano, o trimestre fevereiro-abril fechou com pluviometria abaixo da média. O acumulo médio no referido trimestre foi de 433 milímetros, o que representa 13,2% abaixo da normal climatológica (510,1 mm). 

As precipitações neste início de mês estão dentro da previsão dos especialistas. No final de abril, Meiry Sakamoto, gerente de meteorologia da Funceme, havia projetado que "na primeira semana de maio os volumes podiam alcançar volumes entre 30 a 60 milímetros em boa parte do Estado". 

LITORAL SE DESTACA

Entre os dias 1º a 8 de maio, a região do Litoral de Fortaleza foi a que recebeu o maior volume de chuva. Ela, inclusive, é a única cuja pluviometria já ultrapassou a normal climatológica para todo o mês. Ainda segundo dados da Funceme, o acumulado até a agora é de 166,1 milímetros, o que representa 11,9% acima da média (148,4).

Em Fortaleza, a última semana foi marcada por chuvas constantes e, em alguns dias, com intensa pluviometria, causando alagamentos e inundações em alguns bairros da cidade.

Em seguida, as regiões com maiores volumes acumulados são  Maciço de Baturité (109 mm), Jaguaribana (89,4 mm) e Litoral Norte (84,8%). 

O Cariri é a região com menor volume acumulado, com apenas 19 milímetros. A normal climatológica para a região, em maio, é de 63,6 mm. Ou seja, até agora, choveu pouco menos de 30% da média. 

Confira os números:

  • Litoral de Fortaleza: 166,1 mm (11,9% acima da média mensal)
  • Maciço de Baturité: 109 mm (20,2% abaixo da média mensal)
  • Jaguaribana: 89,4 mm (10,9% abaixo da média mensal)
  • Litoral Norte: 84,8 (28,9% abaixo da média mensal)
  • Ibiapaba: 68,9 mm (27,9% abaixo da média mensal)
  • Litoral de Pecém: 64,8 (41,7% abaixo da média mensal)
  • Sertão Central e Inhamuns: 69,6 mm (33,2% abaixo da média mensal)
  • Cariri: 19 mm (70,2% abaixo da média mensal)

MAIO TEM HISTÓRICO DE CHUVAS REDUZIDAS

Dentre os quatro meses que compõem a quadra chuvosa, maio é o que possui menor média pluviométrica, atrás de fevereiro (118,6 mm), março (203,4 mm) e abril (188 mm). Além disso, nos últimos dez anos, apenas em uma oportunidade o mês encerrou com chuvas acima da média: no ano de 2013. 

Em todos os outros anos deste recorte temporal, a normal climatológica para o mês não foi alcançada. Em 2012, 2015 e 2016 choveu menos do que o já registrado neste ano de 2021. Veja o volume, para o mês de maio, da última década:

  • 2021: 44,1 mm (*até o dia 8 de maio)
  • 2020: 82,7 mm  (- 8.7%)
  • 2019: 76,6 mm (- 15.4%)
  • 2018: 58,6 mm (- 35.3 %)
  • 2017: 64,2 mm (- 29.1 %)
  • 2016: 43,6 mm (- 51.9 %)
  • 2015: 36,7 mm (- 59.5%)
  • 2014: 85,1 mm (- 6.1%)
  • 2013: 92,2 mm (+ 1.8%)
  • 2012: 18,6 mm (- 79.5%)

PREVISÃO PARA OS PRÓXIMOS DIAS

Conforme prognóstico da Funceme, a semana deve iniciar com tendência de chuva no Centro-Norte do Estado. "De um modo geral, as precipitações deverão ser com intensidade de fraca a moderada, de caráter passageira e pontuais", detalhou o órgão.

Já a faixa litorânea a chuva deverá ocorrer no período da madrugada e manhã, enquanto nas demais regiões acontecerão ao longo do dia. Para a terça-feira (11), a previsão é mesma, isto é, nebulosidade variável com chuva isolada na faixa litorânea, no Maciço de Baturité e na Ibiapaba. Na região Jaguaribana, possibilidade de chuva.

No Ceará, há nuvens associadas a chuva no norte do estado em razão da presença de áreas de instabilidade que se formam no oceano Atlântico e se deslocam em direção ao continente
Share:

Especial Açudes: Após 10 anos seco, Jatobá sangra e apresenta lâmina de 42 cm

Especial Açudes: Após 10 anos seco, Jatobá sangra e apresenta lâmina de 42 cm

O açude é um dos 155 monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh)

Após um longo período de 10 anos sem aportes significativos, o açude Jatobá, localizado em Milhã, sangrou e registrou a maior lâmina do ano em açudes no Ceará. Inaugurado em 1997, o açude abastece a sede do município de Milhã e ajuda regiões vizinhas.

Com capacidade de 1.070.000 m³, o açude Jatobá foi o único açude da região do Banabuiú a sangrar em 2021, registrando uma lâmina de 42 cm. A última sangria aconteceu em 2011.

No início do ano , o Jatobá estava seco – condição abaixo do volume morto (tinha água mas não em nível suficiente para que haja retirada para abastecimento). Em fevereiro chegou a aportar 4,67%. A condição de volume morto varia conforme o reservatório e de acordo com as dimensões. Em açudes de maior porte, um menor volume pode representar ainda quantidade significativa de água.

Share:

Cearenseando: Estratégias para manter a segurança hídrica no Ceará

 

Cearenseando: Estratégias para manter a segurança hídrica no Ceará

Nesta semana, o Cearenseando recebe o secretário dos Recursos Hídricos do Ceará, Francisco Teixeira, para uma conversa sobre as estratégias que estão sendo desenvolvidas para manter a segurança hídrica no Ceará. O episódio também conta com a participação do presidente da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Eduardo Sávio.

O episódio 80 foi apresentado por: Larissa Falcão e Lúcio Filho
Edição: Ivanildo Rodrigues
Produção: Larissa Falcão e Marina Filgueiras

Share:

sexta-feira, 7 de maio de 2021

AVIPRECE EM AÇÃO






Na manhã do dia 06 de maio, aconteceu um importante encontro na cidade de Limoeiro do Norte. O evento, promovido pela AVIPRECE (Associação dos Vice Prefeitos do Estado do Ceará), reuniu os vice prefeitos, da região do Vale do Jaguaribe, para formatar um manifesto, que será entregue ao governador do estado Camilo Santana, solicitando a abertura do Hospital Regional Vale do Jaguaribe em caráter de urgência. 

A anfitriã do evento, a vice prefeita de Limoeiro do Norte, foi uma das idealizadoras do manifesto. O evento foi capitaniado pelo vice prefeito de Aquiraz e presidente da AVIPRECE Agenor Mota.


O evento aconteceu de forma semi presencial, seguindo todas as orientações da Secretaria Estadual da saúde.

ASCOM 

Share:

Cacá Pitombeira toma posse como secretário executivo de Desenvolvimento Agrário

Tomou posse na última segunda-feira (3) o novo secretário executivo do Desenvolvimento Agrário. A cerimônia de posse restrita de Cacá Pitombeira, em decorrência da pandemia do Covid-19, foi marcada pelo ato de selar um compromisso com o Sistema Estadual de Agricultura. “Chego a SDA para colaborar e fazer com que o trabalho do sistema flua com suas políticas. Tive a oportunidade de conhecer a Secretaria nos encontros do âmbito das discussões do Pacto das Águas e, lá, na geração deste projeto, tive a oportunidade de conhecer o Sistema Estadual de Agricultura”, testemunhou.

“Temos o grande desafio de deixar um legado para a agricultura familiar, através de uma série de investimentos proporcionados pelo governador Camilo Santana, como o Projeto São José, a Lei das Sementes (Hora de Plantar), e a etapa de entrega de produtos do Projeto Paulo Freire. Hoje, todos os olhares dos agricultores estão voltados para que executemos nossas políticas”, complementou De Assis Diniz, secretário de Desenvolvimento Agrário. Cacá ocupa o espaço deixado por Wilson Brandão, que há um mês se tornou mais uma das vítimas do coronavírus do Covid-19.

O novo gestor é produtor em rádio e TV e exerceu a função de articulador institucional do Instituto de Planejamento de Fortaleza (Iplanfor). O especialista no desenvolvimento de metodologias participativas participou e elaborou o Plano Fortaleza 2040 e atuou também como articulador do Conselho de Altos Estudos da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, em especial no Pacto pelo Pecém e no Pacto das Águas no Estado do Ceará. Outras contribuições de Cacá Pitombeira possuem ligação com a Política Nacional de Recursos Hídricos para beneficiar diversas regiões brasileiras.

Ascom

Share:

Cultivares de gergelim da Embrapa geram R$ 52,9 milhões aos produtores brasileiros


Para cada real investido pelo Governo Federal, a Embrapa devolveu à sociedade R$ 17,77 reais, obtendo um lucro social de R$ 61,85 bilhões, conforme o Balanço Social da Empresa, publicado no final do mês de abril. O valor é obtido a partir do cálculo do impacto econômico de uma amostra de apenas 152 tecnologias adotadas pelo agronegócio brasileiro e de 220 cultivares desenvolvidas pela Empresa. No ano passado, a Empresa gerou um lucro social de R$ 61,85 bilhões.  


Entre as campeãs de impacto econômico estão as cultivares de gergelim desenvolvidas pela Embrapa Algodão BRS Seda, BRS Anahí e BRS Morena. Juntas, essas cultivares geraram um impacto econômico de R$ 52,9 milhões para os produtores brasileiros. As cultivares de gergelim do programa de melhoramento da Embrapa para essa cultura tem gerado soluções tecnológicas para atender as demandas dos mercados interno e externo, com alto rendimento para o produtor. 


Nas últimas safras, os pesquisadores têm se dedicado a obter cultivares adaptadas ao cultivo em larga escala, como mais uma opção de renda aos produtores do Cerrado. “Nos últimos anos, a cultura do gergelim tem se tornado uma excelente oportunidade de negócio e, por isso, tem demandado por inovações tecnológicas imprescindíveis para o manejo da cultura nas condições de larga escala, especialmente, o desenvolvimento de cultivares altamente produtivas e adaptadas aos diferentes ambientes, como está acontecendo hoje na região Centro-Oeste”, afirma  Nair Arriel, chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Algodão.


Ela salienta que, além do desenvolvimento de cultivares, é importante aperfeiçoar todo o sistema de produção da cultura para as condições de cultivo em larga escala. “Além dessas cultivares altamente produtivas, temos trabalhado bastante integrados para a melhoria do sistema de produção, aliando modernas técnicas de cultivo mecanizado, o desenvolvimento de tecnologias e práticas de rotação de culturas, o manejo fitossanitário de plantas daninhas, a definição das melhores épocas de semeadura, a determinação das necessidades nutricionais e práticas de colheita”, elenca a pesquisadora. 


“Todo o trabalho de programa de melhoramento genético é para permitir que tenhamos, não apenas a expansão da produção, mas sobretudo a melhoria da qualidade do produto e criando as condições de competir nos mais exigentes mercados mundiais onde o gergelim hoje está em franca expansão”, acrescenta.


Outros destaques

Também foram destaques, no balanço social da Embrapa, a cultivar de algodão de fibra longa BRS 433 FL B2RF e a adoção de soluções tecnológicas como a descaroçadeira e prensa enfardadeira de pequeno porte para o beneficiamento do algodão, plantas de cobertura do solo para a semeadura direta do algodoeiro no Cerrado brasileiro.

Share:

Água e crédito fundiário para agricultores de Maranguape



O deputado estadual Acrísio Sena (PT) reuniu-se, nesta quarta-feira (5), pela manhã, com o prefeito de Maranguape Átila Camara, o secretário adjunto de Agricultura, Airton Kern, e a liderança Dóris Marques. Na pauta, projetos estruturantes de segurança hídrica da região e o crédito fundiário para agricultura familiar.

O parlamentar se comprometeu em lutar com as comunidades para executar obras e serviços como passagem molhada, recuperação de açudes, crédito fundiário e instalação de poços.

O deputado vai apresentar uma emenda de R$ 250 mil para ações de segurança hídrica no município. “Nosso objetivo é estabelecer um parceria com município e articular ações que melhorem a vida dos agricultores e da população de Maranguape no que eles mais precisam: água e crédito para suas plantações”, afirmou Acrísio.

Ascom 

Share:

Redes Sociais

. Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

As Mais Lidas do Site

Sebrae

Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Blog do Rogério Gomes

Olhar Munipal com Fábio Tajra

Acordeon para iniciantes

Tempo Agora em Fortaleza

Ouça no Rádios Net

Total de visualizações do Site